Virado à Paulista é reconhecido como patrimônio imaterial

O Condephaat tombou e o reconheceu como patrimônio cultural para preservar a tradição e fortalecer sua importância para a história do estado de São Paulo.
Arroz, feijão, farinha de milho, carne-seca, bisteca, torresmo, linguiça, couve, ovo frito e banana empanada são os ingredientes básicos da receita.
Arroz, feijão, farinha de milho, carne-seca, bisteca, torresmo, linguiça, couve, ovo frito e banana empanada são os ingredientes básicos da receita. (Divulgação)

Protagonista do almoço dos paulistanos às segunda-feira, o Virado à Paulista passou a ser oficialmente um patrimônio imaterial do Estado de São Paulo. O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Governo do Estado de São Paulo (Condephaat) tombou e o reconheceu como patrimônio cultural para preservar a tradição e fortalecer sua importância para a história do estado.
Arroz, feijão, farinha de milho, carne-seca, bisteca, torresmo, linguiça, couve, ovo frito e banana empanada são os ingredientes básicos da receita tombada pelo órgão.
O prato, que teve origem no século 16, era composto por feijão, farinha de milho ou de mandioca e toucinho de porco. Servia como alimentação nas monções e bandeiras. Durante as expedições, os alimentos chacoalhavam e ficavam "revirados", dando origem ao prato.
Segundo o órgão, a diversidade do território paulistano está presente na história do virado, que carrega alimentos de origens indígenas, portuguesas, africanas e italianas.
"O registro do Virado Paulista pode ampliar a visibilidade de uma característica marcante na História de São Paulo: a integração de culturas de diversas procedências, ainda que historicamente marcada por confrontos, dominações e resistências. Este prato expressa em sua composição uma demonstração da diversidade cultural característica de São Paulo", diz o parecer técnico da Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico que pautou a decisão do Condephaat.
Para o conselho, o prato teve importância nas viagens de expansão do território brasileiro e agrega anos de encontros de culturas, tradições, conhecimento e de prazer sensorial, que formaram a diversidade de São Paulo.
Registro imaterial
Um decreto de 2011 permite o reconhecimento de manifestações culturais do Estado. O objetivo é identificar e reconhecer conhecimentos, formas de expressão, modos de fazer e viver, rituais, festas e manifestações que façam parte da cultura paulista. O primeiro patrimônio imaterial reconhecido no Estado foi o samba paulista, em janeiro de 2016.
Desde 2004 o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) também implementou uma política de proteção de bens imateriais no País, entre eles estão o Círio de Nossa Senhora de Nazaré (Pará), o frevo (Pernambuco), a Romaria de Carros de Boi da Festa do Divino Pai Eterno de Trindade (Goiás) e o Samba de Ronda (Bahia).

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado