Pular para o conteúdo principal

A REPÚBLICA DO IMPROVISO

Grecianny Carvalho Cordeiro*


Na vida, muitas vezes planejamos algo e simplesmente não dá certo.
Na maioria das vezes, quando planejamos, traçamos metas, estabelecemos tempo, nos disciplinamos e perseveramos em busca de um propósito, alcançamos o objetivo tão almejado.
Pensando em termos de país, o improviso quase nunca dá certo. Porque são vários os fatores, várias as probabilidades, com infinitas pessoas envolvidas, conflitos inimagináveis de interesses, num sistema muitas vezes viciado e, no caso específico do Brasil, eivado pela chaga da corrupção.
Por último, estamos acompanhando o caso da intervenção no Rio de Janeiro. Após o carnaval, o Presidente da República resolveu decretar a intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro, “com o objetivo de pôr termo ao grave comprometimento da ordem pública”, em razão do poderio do crime organizado, ali instalado.
O Presidente da República, professor de direito constitucional, olvidou que, no decreto de intervenção, deverá ser especificada “a amplitude, o prazo e as condições de execução”.
Pois bem, o decreto de intervenção especifica sua limitação à área da segurança pública, o tempo de duração, até o dia 31 de dezembro de 2018, nomeia como interventor um General do Exército, não sujeito às normais estaduais, mas subordinado ao Presidente da República.
Cabe ao interventor: 1) “requisitar, se necessário, os recursos financeiros, tecnológicos, estruturais e humanos do Estado do Rio de Janeiro afetos ao objeto e necessários à consecução do objetivo da intervenção”; 2) exercer o “controle operacional de todos os órgãos estaduais de segurança pública” do Rio de Janeiro; 3) requisitar “os bens, serviços e servidores afetos às áreas da” Secretaria de Segurança, da Secretaria de Administração Penitenciária e do Corpo de Bombeiros Militar, “para emprego nas ações de segurança pública determinadas pelo Interventor.”
O fato é que as condições da execução não foram fixadas, não obedecendo ao dispositivo constitucional.
Como é possível adotar medida tão drástica sem qualquer planejamento, entregando ao Exército a tarefa de fazer quase um milagre, sem que nenhum dinheiro lhe seja disponibilizado de imediato, sem que lhe tenha sido destinado tempo para planejar sua execução!
Intervenção federal é medida excepcional e, decretá-la com base no improviso é algo, no mínimo, irresponsável.
Na República do improviso, o propósito eleitoreiro dessa temerária medida é flagrante.


*Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…