EMPODERAMENTO

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Empoderamento feminino é a palavra da vez.
Nunca é demais repetir sobre o significado dessa palavra.
Em julho de 2010, a Assembleia Geral da ONU criou a ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres. 
Conforme difundido pela ONU Mulheres, empoderar é estabelecer liderança corporativa com igualdade de gênero; tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não-discriminação; garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa; promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres; apoiar empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento por meio marketing; promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social.
Mais um Dia Internacional da Mulher se passou.
As redes sociais choveram de posts sobre a importância da mulher, sinônimo de amor, de vida, de beleza, de graça, dentre tantos outros atributos femininos. Outras falaram que não queriam flores, apenas o direito de fazer as próprias escolhas, o direito de igualdade nas relações de trabalho, menos discriminação, mais respeito, equidade, menos violência. 
Várias cidades ao redor do mundo tiveram passeatas e manifestações no mesmo sentido, em especial, contra o abuso sexual.
Até o presidente russo, Putin, recitou poema em homenagem à mulher!
Por outro lado, pesquisas mostram que a participação da mulher em cargos gerenciais no Brasil sofreu uma queda; embora mais escolarizadas, 75% das mulheres brasileiras ganham menos que os homens; o número de mulheres vítimas de homicídio cresce no Brasil, sendo uma mulher assassinada a cada duas horas; o número de mulheres na politica é ínfimo.
Entra ano e sai ano, o Dia Internacional da Mulher evoca sempre as mesmas mensagens, pesquisas e histórias.
Mas é bom recordar que o dia da mulher são todos dias, pois uma mulher é mãe, avó, tia, profissional, dona de casa, empresária, todo santo dia, sem interrupção, e cada dia é tempo para refletir e lutar por esse denominado empoderamento.
Talvez não seja de bom tom focar as conquistas e lutas das mulheres apenas pelo ângulo das pesquisas, das injustiças e das discriminações que ainda são cometidas.
Talvez seja mais produtivo e animador, ao olhar para a frente, olhar para trás e se orgulhar de tudo o que foi conquistado.
Talvez…


*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado