Livro sobre o tropicalista Torquato Neto será lançado nesta sexta em Fortaleza


Torquato Neto
Um dos idealizadores da Tropicália, o poeta e jornalista Torquato Neto é tema de filme e livro ( Foto: divulgação )

Artista múltiplo, assim como seu pensamento, aos poucos, a produção literária do poeta, jornalista, ator, cineasta, produtor, agitador cultural e um dos idealizadores da Tropicália, Torquato Neto (1944-1972) começa a emergir. Com o olhar voltado às novas gerações e, sobretudo, em sua poesia, que considerava  “a mãe de todas as artes”, o escritor Cláudio Portella passou em revista a obra do “poeta por essência”, natural do Piauí, morto aos 28 anos, por vontade própria. O resultado da pesquisa são 103 textos, alguns em forma de canções, que integram o livro “Melhores Poemas: Torquato Neto”, cujo lançamento acontece nesta sexta (9), no Cinema do Dragão, após a exibição do documentário “Todas as horas do fim”.

O  longa documentário, dos diretores Eduardo Ades e Marcus Fernando,  que estreou nacionalmente quinta (8),  marca os 45 anos de morte do artista. O  autor falará sobre a vida e a obra de Torquato Neto, centrando a análise na sua poesia.  No dia 28, a obra será lançada no Rio de Janeiro, na Livraria Travessa, em Ipanema. “O livro ficou pronto na mesma época do filme. É uma coincidência salutar”, assinala Portella. Em texto sensível, disseca a poética de Torquato Neto, procurando trazer à tona sua produção literária.

 “Em Torquato, a criação nasce do registro da manifestação. Toda e qualquer manifestação”, escreve, lembrando de seus textos na coluna Geleia Geral. “Todo poeta é crítico. Fazer poesia é uma manifestação crítica. Ele criticava a percepção do mundo”, sentencia, destacando seu lado contestador, guerrilheiro e de afrontar.

A elaboração do livro, que foca na produção poética do autor de “Geleia Geral”, música-manifesto do movimento Tropicália, começou em 1999. Mas houve uma pausa, ficando pronto apenas no ano passado. Um dos motivos,  Ana Maria Duarte, viúva de Torquato Neto, não autorizava a publicação pela Editora Global. Após sua morte, em 2016, Tiago, filho único do casal, autorizou a obra. Em formato “pocket”,  o livro de 200 páginas foi editado pela Global.  “ Ele era essencialmente poeta. Tudo o que fazia convergia para a poesia”, afirma Portella, destacando a elaboração dos seus versos.  Torquato Neto era jornalista, especializado em música.  

O autor, que teve acesso a toda obra de Torquato Neto,  explica que a seleção só deixou de fora  os poemas da fase da adolescência. “Ele escreveu bem mais”, conta, justificando que suas canções eram verdadeiros poemas, enfatizando o esmero no processo de elaboração. O livro, que tem edição também digital, foge do enfoque da sua vida pessoal, seguindo orientação da própria editora. Assim, a obra se destaca pelo grande número de poemas publicados, um dos seus méritos.

 “Melhores Poemas: Torquato Neto” é o 17º livro de Portella, que ainda tem parentesco com o poeta piauiense. A admiração começou pela poética-musical, vindo depois o contato com as outras escritas, a exemplo dos poemas e das matérias jornalísticas. Cita a coluna Geleia Geral, que assinou  de agosto de 1971  a março de 1972, no jornal carioca “Última Hora”. Foi quando voltou de   Londres,  para onde viajou com o amigo Hélio Oiticica, fugindo da mão pesada da ditadura militar (1964-1985).  

 A situação ficou ainda mais difícil para Torquato  Neto,  após a publicação do Ato Institucional nº 5, em dezembro de 1968.  Antes, escreveu para o Jornal dos Sports,  a coluna Música Popular”, de março a setembro de 1967. Era o auge da MPB, apogeu dos festivais, época que antecedeu a Tropicália.   

Portella abre o livro com uma análise acerca da narrativa poética de Torquato Neto, vindo em seguida os 103 poemas, cronologia biográfica, e depoimentos de amigos e parceiros do  artista, entre outros, Gilberto Gil, Ivan Cardoso, Décio Pignatari.  Para entender um pouco mais sobre a sua escrita, é preciso localizar o autor no tempo histórico. Construiu sua obra entre os pacatos anos 1950, e a conturbada década  de 1960. “Ele era jornalista”, enfatiza Portella, que reproduz no livro alguns trechos da coluna Geleia Geral, que foram escritos em forma de poesia.  

O bilhete incisivo: “Pra mim, chega” foi a última ação  antes de se trancar no banheiro e ligar o gás, após comemorar o aniversário com os amigos e a companheira, Ana Maria, com quem se casou em 1966.  

Filme

O  longa documentário “Todas as horas do fim” estreou no 19º Festival de Cinema do Rio de Janeiro, e foi apresentado também na  41ª Mostra Internacional de Cinema São Paulo. A intenção dos diretores é  transportar uma reflexão para a sétima arte, daí o desafio em montar o longa-metragem cujo foco é a vida e obra Torquato Neto. O título foi tirado do poema “Cogito”, no qual expressava  a maneira particular de ver a condição humana:  “Eu sou como eu sou/ pronome pessoal intransferível/ do homem que iniciei/ na medida do impossível/ (…) e vivo tranquilamente todas as horas do fim.

E é justamente essa face dos vários “Torquatos”, que conviviam dentro daquele ser franzino, aparentemente frágil, que sublimava  na arte – música, poesia ou  no cinema – suas angústias, que os autores procuravam. O processo de elaboração do filme durou quase cinco anos. Nesse período,  vasculharam  seu acervo pessoal, conversaram  com pessoas que conviveram com ele, viajaram pelas cidades nas quais morou, desde a terra natal, Teresina, até o exílio em Londres. Eles queriam refazer as pegadas deixadas pelo poeta, que sabia mesclar à escrita  sensibilidade, sarcasmo e indignação. Usando as suas palavras “destoava o coro dos contentes”.   

Serviço:

Lançamento do livro “Melhores Poemas -Torquato Neto”, de Cláudio Portella (Editora Global, 200 páginas, R$ 32,00 ), nesta sexta (9), no Cinema do Dragão (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema), após a sessão do filme “Todas as horas do fim”, às 19h30.  Ingressos: R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia) Fone: (85) 3488 8600


Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Cearense Mailson Furtado ganha o Prêmio Jabuti de livro do Ano