Mostra Tiradentes em São Paulo exibe filmes premiados em Minas Gerais

Camila Maciel - Repórter da Agência Brasil
Começa hoje (15) e vai o dia 21 a 6ª edição da Mostra Tiradentes em São Paulo. Trata-se de uma versão itinerante do festival de cinema que ocorre anualmente na cidade mineira, no mês de janeiro. Serão exibidos 32 filmes, entre longas e curtas, destacando “a nova safra da produção brasileira contemporânea”, diz o texto de apresentação da mostra. As atividades ocorrem no CineSesc e incluem, além da exibição de filmes, debates e ações formativas.
A cerimônia de abertura será às 20h, com uma homenagem ao ensaísta, pesquisador e professor Ismail Xavier e uma performance audiovisual que apresentará a temática, a programação e o conceito do evento. O tema desta edição é Chamado Realista e tem o “propósito de refletir sobre as relações intercambiáveis entre cinema e vida”.
Na abertura também será exibido o filme Baixo Centro, dirigido por Ewerton Belico e Samuel Marotta, que foi um dos eleitos como melhor filme pelo Júri da Crítica da 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes. Após a sessão, haverá bate-papo com os diretores, mediado pela curadora Lila Foster. A abertura é gratuita, com a retirada de ingressos uma hora antes do início da atividade. As demais sessões terão ingressos que variam entre R$ 3,50 e R$ 12.
Lila destaca que a mostra itinerante é uma reedição dos melhores filmes exibidos em Tiradentes. “A gente pensa a mostra de São Paulo a partir das reverberações dos debates, das conversas que acontecem em Tiradentes, em janeiro”. Para a curadora, os filmes selecionados respondem, de maneira mais forte, a uma dimensão política. “Há várias outras dimensões desse Chamado Realista também, mas acho que essa seleção de São Paulo responde mais a essa energia da força política”, disse.
Mostras temáticas
Os filmes estão distribuídos em cinco mostras temáticas. A Mostra Aurora é dedicada a diretores em início de carreira, que tenham até três longas realizados. Depois de concorrerem ao prêmio do júri na mostra em Minas Gerais, eles serão exibidos pela segunda vez na capital paulista. Além do mineiro Baixo Centro, foram selecionados: Ara Pyau – A Primavera Guarani (SP), de Carlos Eduardo Magalhães; Dias Vazios (GO), de Robney Bruno Almeida; Imo (MG), de Bruna Schelb Correa; Lembro mais dos Corvos (SP), de Gustavo Vinagre; Madrigal para um Poeta Vivo(SP), de Adriana Barbosa e Bruno Mello Castanho; e Rebento (PB), de André Morais.
A Mostra Foco será integralmente exibida em São Paulo. Ela reúne curtas que também foram avaliados pelo júri da crítica em Tiradentes. Dez filmes de cinco estados integram a seleção: A Retirada Para um Coração Bruto, de Marco Antonio Pereira (MG); Calma, de Rafael Simões (RJ) ; Estamos Todos Aqui, de Chico Santos e Rafael Mellim (SP); Fantasia De Índio, de Manuela Andrade (PE); Febre, de João Marcos De Almeida, Sergio Silva (SP); Iara, de Erika Santos e Cássio Pereira Dos Santos (MG); Inconfissões, de Ana Galizia (RJ); Outras, de Ana Julia Travia (SP); Peito Vazio, de Yuri Lins e Leon Sampaio (PE); e Sr. Raposo, de Daniel Nolasco (GO).
Uma novidade da edição itinerante é a Mostra Paulista. A escolha dessa temática reflete a forte participação de filmes produzidos em São Paulo na programação apresentada em Tiradentes. Serão exibidos três longas, sendo dois deles inéditos, que foram convidados para integrar a programação. A seleção dos curadores Cleber Eduardo e Lila Foster inclui os filmes Pássaro Transparente, de Dellani Lima, Berço Esplêndido, de Lucas Acher, e Platamama, de Alice Riff.
Lila Foster disse que a seleção dos filmes paulistas mostra diferentes dinâmicas dessa produção. “Há desde filmes com energia de roteiro, que não é esse roteiro fechadinho, há filmes mais experimentais, documentários também cercados para essa ideia do Chamado Realista, explicou. Para ela, mais do que definir um “cinema paulista”, a curadoria propõe pensar “o que afinal é o cinema paulista?”.
Os curadores também elaboraram uma seleção especial para contemplar a produção de curtas paulistas. A Mostra Foco SP traz filmes que “abordam o universo urbano de maneira, ao mesmo tempo, particularizada e universal; questionam ocupações humanas, relações interpessoais e profissionais, situações afetivas”, segundo apresentação da mostra. Integram a seleção Vaca Profana, de René Guerra; Na vida, quem perdeu o telhado, recebe as estrelas, de Henrique Zanoni; Memórias de um primeiro de maio, de Danilo J. Santos; e Sweet Heart, de Amina Jorge.
Na mostra, que recebe o nome do evento deste ano, Chamado Realista, serão exibidos os curtas Peripatético, de Jéssica Queiroz; Ainda se morre na fila do hospital, de Lucas Guerra; Azul vazante, de Julia Alquéres; e Universo Preto Paralelo, de Rubens Passaro. A seleção de longas, por sua vez, é composta por Lírios não Nascem da Lei, de Fabiana Leite; e Escolas em Luta, de Eduardo Consonni, Rodrigo T. Marques e Tiago Tambelli.
A programação completa da Mostra Tiradentes SP pode ser conferida no sitehttp://mostratiradentessp.com.br/

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

14 etnias não têm seu idioma original preservado no Estado do Ceará

Adjetivando a vida

Intolerância: arma dos preconceituosos