Pular para o conteúdo principal

Museu da Fotografia Fortaleza recebe mostra “Luz e Sombra”, retrato do continente africano


Foto: Divulgação / Assessoria
Sob um olhar excêntrico, o fotógrafo Christian Cravo dá ao continente africano uma nova cara. Seu ensaio Luz e Sombra, desenvolvido ao longo de sete anos, estará disponível para a visitação do público fortalezense a partir do dia 10 de março, no Museu da Fotografia Fortaleza.
A exposição é fruto da imersão de Christian Cravo em sete países africanos: Namíbia, Zâmbia, Botsuana, Quênia, Tanzânia, Congo e Uganda. Uma África monumental, plástica e nada clichê é construída a partir de recortes abruptos, que dispõem fragmentos de animais e paisagens, privilegiando a estética à narrativa nos retratos do fotógrafo. Em Luz e Sombra, o fotógrafo foca na construção da própria imagem, através de questões intrínsecas a luz, tempo e espaço.
Através do uso exacerbado de cortes, busca com a técnica não documentar o real, mas apenas arrancar dele uma pequena porção por meio de ousados enquadramentos, seccionando paisagens e corpos de animais, e destacando, muitas vezes, apenas texturas. Na série africana, diferentemente de outras de sua autoria, Christian suprime a atmosfera cênica e narrativa dos personagens anteriores com a exclusão da figura humana, minando qualquer relação entre conteúdo e significado, apoiando-se exclusivamente num campo formal e estético. A mostra foi inaugurada em 2012, na galeria Throckmorton Fine Art, em Nova York. Em 2014, a exposição passou pelo Museu Rodin Bahia, de Salvador e, em 2015, pelo Museu Afro Brasil, de São Paulo. Esta última foi premiada como a melhor exposição fotográfica do ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Christian Cravo

Nascido em 1974, em Salvador, Bahia, Christian Cravo é filho de mãe dinamarquesa e de pai brasileiro. Sua experiência com a técnica fotográfica ocorreu aos 11 anos de idade, enquanto morou na Dinamarca, lugar onde passou toda sua adolescência. Com 22 anos, Christian retornou à terra natal e começou a encarar a máquina fotográfica com outros olhos. Ao longo dos últimos 25 anos, teve seu trabalho reconhecido, nacional e internacionalmente, por meio de exposições em importantes instituições culturais, como o Museu de Arte Moderna da Bahia, em Salvador; o Instituto Tomie Ohtake e o Museu Afro Brasil, em São Paulo; o próprio o Ministério da Cultura, em Brasília; e as galerias Throckmorton Fine Art, de Nova York, e Billedhusets Galeri, em Copenhague. Christian também foi um dos mais jovens artistas a receber o prestigioso prêmio norte americano, Guggenheim, além de ter sido indicado três vezes como finalista do desejado Prix Pictet.

Sobre o Museu

Compreendendo sua função social para além do espaço expositivo, o Museu da Fotografia realiza uma série de ações que têm como objetivo a divulgação de novos talentos e a promoção da fotografia contemporânea a partir da realização de cursos e visitas guiadas para a terceira idade e de oficinas e workshops voltados a artistas, estudantes e educadores – resultado, inclusive, da proximidade da instituição junto às Secretarias de Cultura (Secult) e de Educação do Estado (Seduc) e às Secretarias Municipais da Educação (SME) e de Cultura de Fortaleza (Secultfor). O MFF tem também uma equipe de monitoria formada pelos alunos dos cursos de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade de Fortaleza (Unifor), Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Artes Visuais do Instituto Federal do Ceará (IFCE) e do curso de Fotografia do Porto Iracema das Artes.

Serviço

Luz e Sombra
Data: a partir do dia 10/03/2018
Período da Exposição: Março a Julho de 2018.
Local: Museu da Fotografia Fortaleza
Endereço: Rua Frederico Borges, 545. Varjota. Fortaleza – CE
Visitação: de quarta-feira a domingo, das 12h às 17h

Com informações da Assessoria de Comunicação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…