São José, esperança dos cristãos


Padre Geovane Saraiva*
O caminho da bondade e da humildade, em São José, contrapõe-se aos grandes do mundo, incapazes de gerar esperança e de construir caminhos sólidos, sobretudo tendo como destinatários os fracos e empobrecidos. Por mais que o ser humano seja independente, autossuficiente e autônomo, Deus, na sua graça, quer entrar em sua história, respondendo aos anseios dos homens de todos os tempos. São José, um santo inigualavelmente grande, é declarado Patrono da Igreja Universal, advogado dos lares cristãos e modelo dos operários, que nos inspire em nossa realização neste mundo e no outro. Pouco sabemos sobre sua vida, mas ela foi um sinal fecundo de esperança, transmitida aos seguidores de Jesus através dos Evangelhos, o suficiente para destacar, de modo inaudito, a importância do Carpinteiro de Nazaré na história do povo Deus.

Resultado de imagem para foto de sao joséVoltemo-nos para São José, pensando na vida dos cristãos dos nossos tempos, por ocasião da Quaresma, ao se aproximar a Paixão de Jesus, sua morte e ressurreição, mistério da luminosa esperança para todos, ricos ou pobres, falando-nos de humildade na escuta e no diálogo com Deus, reconhecendo em São José a mão de Deus e seu amor pelo mundo. Que a festividade de São José, patrono da Igreja Universal, comemorado como padroeiro do Ceará, esposo puríssimo da mais elevada de todas as criaturas, convença-nos da mais absoluta certeza, livres e conscientes da salvação que nos é oferecida.

Que São José ilumine nossas mentes, nas manifestações de Deus, nas quais se constata, enormemente, uma realidade adversa ao seu projeto de amor, claro, somente a partir do amor infinito de Deus, na entrega de seu filho unigênito, promessa por ele assimilada na salvação da humanidade. Convencidas de que não há outro caminho seguro para a humanidade, que não seja dentro do caminho do Cristo totalmente despojado na cruz, que reside na fragilidade das 15 horas da Sexta-Feira da Paixão, todas as pessoas, perplexas, são associadas à sua misteriosa entrega.

A missão de São José, servo bom e fiel, também com o título de o último dos patriarcas, foi a de fixar, na mente e no coração dos seguidores de seu filho, o estreito laço entre o Antigo e o Novo Testamento. Na sua segura esperança, o compreendemos pela disponibilidade, fazendo a vontade de Deus, ao aceitar o cumprimento das promessas divinas, acolhendo-o como doce protetor e implorando o vosso socorro. Amém!

*Pároco de Santo Afonso e vice-presidente da Previdência Sacerdotal, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado