Bode Iôiô, em exposição no Museu do Ceará, será tema de escola de samba Tuiuti


E o nosso conhecido Bode Iôiô ganha o mundo com sua história e ousadia. Em exposição no Museu do Ceará, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, ele será tema do enredo da escola de samba Paraíso do Tuiuti em 2019. O animal, figura importante no nossa história, ganhou fama que acabou sendo eleito vereador nas eleições de 1922, em um ato protesto da população. A Tuiuti pegará esse gancho e trará um desfile sobre a importância do voto consciente. A escola de samba fará o anúncio oficial do enredo, ainda sem nome, nesta sexta-feira, 6. A proposta é manter a essência crítica na temática, como foi neste ano com alas que retratavam a escravidão e faziam fortes críticas à política brasileira e à reforma trabalhista.

"Chegado à capital pelas mãos de flagelados da seca de 1915 – aquela eternizada por Rachel de Queiroz –, o personagem desta história fora comprado provavelmente por caridade pelo dono de uma das muitas firmas de importação e exportação que se espalhavam pela capital cearense que pretendia ares de modernidade naquele início de século. E foi justamente pelas ruas dessa Fortaleza que se desejava chic que o bode, símbolo de uma cultura sertaneja que se queria suplantar, ganhou fama, em suas idas e vindas diárias da Praia do Peixe ao Centro da cidade. E é daí que se acredita vir seu famoso nome, Bode Ioiô.

Conta a memória de Fortaleza que o caprino tinha livre trânsito pela cidade, sem ser incomodado pelos fiscais da Intendência, adentrando vários estabelecimentos comerciais, sobremaneira os Cafés, onde desfrutava do carisma de muitos e de vários tipos de regalias. Era um bode boêmio! E nessa boemia nosso personagem teria de tudo aprendido: a tomar cachaça, a andar de bonde e até a levantar a saia das moças. Conta-se mesmo que chegou a ser eleito vereador da cidade, em uma época em que o voto acontecia em cédulas de papel e os protestos políticos realizavam-se muitas vezes através da galhofa", afirma Carla Vieira, diretora do Museu do Ceará.

História

De tanta estripulia, o Bode Ioiô virou personagem popular, tendo suas aventuras sido narradas por muitos memorialistas da cidade e mesmo por viajantes. Após seus anos finais, o animal chegou a ganhar necrológios em alguns dos jornais locais e seu dono providenciou para que fosse empalhado, sendo então doado ao recém-criado Museu Histórico do Ceará, onde até hoje se encontra e nunca saiu de exposição, contrariando a opinião de muitos à época, de que um bode sertanejo nunca deveria figurar ao lado das “personalidades ilustres” da História de nosso estado.

Tendo vencido tais opiniões, até os dias dia de hoje o famoso Bode Ioiô desperta o interesse de crianças e adultos que visitam o Museu do Ceará ou ouvem falar de sua história, inspirando a produção de pesquisas, livros, poemas, cordéis etc. O que se observa, na verdade e com bastante clareza, é que nosso personagem contribui em muito para a demarcação de uma identidade cearense, de cultura forte, de raízes sertanejas e que resiste às adversidades impostas com base na irreverência e na comicidade.


Fonte: Secult

Comentários

Mais Visitadas

Amigos e familiares relembram Patativa do Assaré em especial na TV Verdes Mares

Ednardo deve ser atração no Réveillon de Fortaleza

Campanha "Eu Te Dedico", lançada pelo Verso, incentiva declaração de amor aos livros