Ceará entra na peleja para tornar o forró Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro

por Iracema Sales - Repórter
Caderno 3
O Ceará entra na peleja para tornar o forró - que não constitui um único ritmo musical, mas vários, a exemplo do xaxado, do xote, chamego, baião e coco, todos nascidos no Nordeste - Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro.
A realização do Fórum Forró de Raiz está previsto para acontecer em Fortaleza e Juazeiro do Norte, no mês de julho, conforme informa Marcus Lucenna, poeta-cantador e militante da cultura nordestina. Ele explica que a batalha pelo registro junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) se arrasta há pelo menos sete anos.
A batalha começou em 2011, quando Joana Alves, principal articuladora do Fórum Nacional do Forró de Raiz, deu entrada no processo. Marcus Lucenna destaca o apoio que o Serviço Social do Comércio (Sesc) está dando à causa. De 26 a 28 de abril, o Rio de Janeiro, segundo Estado a registrar maior concentração de nordestinos, realizará o Fórum Forró de Raiz. O evento terá início com a realização de audiência pública, das 9h às 12h, no Sesc Ginástico, na Tijuca, encerrando com show-manifesto, dia 28, na Feira de São Cristóvão, que contará com a apresentação de 20 artistas e grupos musicais.
As discussões envolverão tanto artistas quanto outros membros da cadeia produtiva, desde representantes de gravadoras até especialistas em direito autoral.
O processo de reconhecimento de um bem cultural é longo e envolve diversas etapas, sendo necessário também recursos. "O Iphan ficou sem dinheiro", admite Marcus Lucenna, cabendo ao Sesc a realização dos fóruns, que significa a retomada do pleito.
"É preciso buscar os territórios, gravar audiovisuais e depoimentos de quem conviveu com os artistas", detalha o músico, que também acompanha os trabalhos para tornar a literatura de cordel patrimônio imaterial - segundo ele, em fase de finalização.
O mesmo não ocorre com o forró, cujo processo ainda é considerado "incipiente", com apenas 10% ou no máximo 15% das atividades concluídas, revela Marcus Lucenna.
Articulação
A expectativa é que os fóruns sejam realizados até o fim deste ano. No momento, o poeta-cantador conclui o livro "As aventuras de Marcus Lucenna na corte do rei Luiz", que conta a história do forró, editado pela cearense Imeph. O lançamento será na Bienal Internacional do Livro de São Paulo.
"O Rio de Janeiro não poderia ficar fora dessas ações", afirma Luiz Gastão Bittencourt da Silva, interventor do Sesc carioca, e presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio), justificando ser o Estado o segundo destino de nordestinos no País.
O objetivo da articulação, que constará de mesas-redondas com a participação de artistas, pesquisadores e profissionais reconhecidos nacionalmente pela sua atuação na cadeia produtiva do forró, é reforçar a batalha em defesa do reconhecimento do Iphan em reconhecer o forró como bem cultural imaterial.
Luiz Gastão Bittencourt garante que "a partir da realização do fórum, o Sesc vai abraçar essa ação", completando que serão mobilizadas todas as unidades da instituição no Brasil. A ideia é que seja redigido documento oficial, após a realização da audiência pública, seminário e mesas-redondas, que acontecerão na unidade Sesc Tijuca.
O material embasará o pedido no IPHAN, juntando-se à documentação do movimento nacional em torno da causa.
Modernização
O forró não constitui um gênero musical, esclarece Marcus Lucenna, que acompanha todos os passos do processo. Ele explica que o termo forró se refere aos locais onde as pessoas se juntam para apreciar a música nordestina, composta por vários ritmos - entre eles xaxado, xote, baião e coco.
Ele surge no século XIX, mas só ganhará popularidade nos anos 1950, ao animar festas através de cantores e compositores como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Marinês e João do Vale.
No início, o chamado forró de raiz contava apenas com sanfona, triângulo e zabumba. A modernização veio nos anos 1990 com o "forró eletrônico" e o "forró universitário".
Marcus Lucenna reconhece que o forró de raiz necessita de proteção, sugerindo a criação de políticas públicas. "Esse outro forró é midiático e os artistas ganham cachês milionários. Estamos falando do tipo que contém o arquétipo dessa manifestação cultural".
Na sua opinião, esses grupos que tocam o "forró de raiz" ainda resistem. Hoje, se grava melhor, em função dos recursos da tecnologia, e os músicos têm melhor formação. Agora sabem ler partituras, o que não acontecia antes. "Houve um crescimento desse tipo de forró herdeiro da poética de João do Vale, Luiz Gonzaga e Marinês", frisa.
Clássicos
No livro, o autor falará sobre a história do forró, tendo como referencial sua trajetória artística. Filho e neto de nordestinos, Marcus Lucenna migrou para o Rio de Janeiro nos anos 1970, considerado o auge da migração nordestina na capital fluminense.
"Na época, estavam construindo o metrô e a ponte Rio-Niterói. Era preciso a criação de espaços para esse povo se divertir. Eles iam para os forrós de quinta a domingo. Inclusive fui atração desses espaços", relembra.
A publicação promete contar a incursão do forró no Rio de Janeiro, nas últimos quatro décadas, resgatando compositores como João do Vale, Catulo da Paixão Cearense, Zé do Norte e Luiz Wanderley, autor da música "Matuto Transviado (Coroné Antônio Bento)", que ficou conhecida na voz de Tim Maia. O paraibano Zé do Norte foi autor da trilha sonora do filme "O cangaceiro" (1953), de Lima Barreto, premiado no Festival de Cannes. "O filme globalizou a música brasileira", conta.

Debate itinerante
Marcus Lucenna adianta ainda que um fórum semelhante acontecerá em São Paulo - a intenção, na verdade, é levar a discussão para 14 estados (além dos nove da região Nordeste, estados que concentram grande número de nordestinos).
Para a obtenção do reconhecimento de um bem cultural como Patrimônio Imaterial Brasileiro é preciso comprovar que o mesmo possui continuidade histórica e tem relevância nacional para a memória, a identidade e a formação da sociedade brasileira.
No caso do forró, a solicitação partiu da Associação Cultural Balaio Nordeste, da Paraíba, em 2011. Uma das determinações acertadas foi a realização de fóruns. O primeiro aconteceu em 2015, na cidade de Pessoa, Paraíba.
Na ocasião, foram definidas as diretrizes para a Instrução Técnica do Registro das Matrizes do Forró, uma das etapas do processo.
Os resultados das discussões do Rio - adicionadas àquelas realizadas em outras localidades por onde o fórum passará a partir de agora - vão compor um dossiê sobre o forró de raiz. Trata-se de uma vasta documentação que inclui ainda registros audiovisuais, uma pesquisa etnográfica e um inventário, entre outros conteúdos. O material será entregue ao Iphan.
O Fórum Forró de Raiz começará essa cruzada. Na sequência, unidades do Sesc pelo estado receberão até dezembro uma intensa programação envolvendo a temática. Shows, espetáculos teatrais, artesanato, oficinas e exposições vão jogar luz sobre o assunto, associados à cultura que enriquece todo o cenário brasileiro.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado