Pular para o conteúdo principal

Dame Blanche: editora quer trazer diversidade para literatura nacional

Detalhe do livro 'Lobo de Rua',  editado pela Dame Blanche (Foto: Reprodução)
DETALHE DO LIVRO 'LOBO DE RUA', EDITADO PELA DAME BLANCHE (FOTO: REPRODUÇÃO)
Sempre sonhamos em publicar as coisas que gostaríamos ler. Nós queremos boas histórias e também diversidade: vozes negras, asiáticas, lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais, genderfluid, etc.” É assim as amigas Anna Fagundes Martino e Clara Madrigano apresentam a Dame Blanche, editora criada por elas em 2016 para publicar histórias de ficção especulativa.
Desde então, a Dame Blanche publicou cinco e-books, que já têm uma média de 500 downloads mensais. As histórias visitam desde São Paulo aos olhos de uma alcateia de lobisomens (Lobo de Rua, de Jana P. Bianchi) até os mistérios do espaço pela perspectiva da tripulação do cargueiro Amaterasu (Deixe as Estrelas Falarem, de Lady Sybylla). “Nossa intenção é focar em histórias curtas para podermos divulgar esses talentos da ficção especulativa brasileira que não tinham espaço para publicar suas ideias”, explica Madrigano em entrevista à GALILEU.
Em Lobo de Rua, por exemplo, o protagonista é Raul, um morador de rua. Já Deixe as Estrelas Falarem tem como protagonista Rosa, uma mulher que já é avó e comanda um cargueiro comercial.
Livro 'Deixe As Estrelas Falarem' (Foto: Reprodução)
“No geral, o que vejo na ficção especulativa brasileira são homens brancos dominando o cenário e indo na linha dos homens brancos internacionais, ou seja, todos querem ser o próximo Tolkien. Eles querem criar a nova Terra Média, aquele lugar bastante uniforme, com elfos, todos brancos e com nomes em inglês”, conta.
“Quando fundamos a Dame Blanche quisemos fugir disso. Não queríamos publicar o próximo Tolkien, mas algo diferente dessa literatura estrangeira que chega aqui e influencia nossos autores. Não é culpa dos escritores, mas se só publicamos traduções de histórias norte-americanas ou britânicas que só repetem os mesmos estereótipos, os leitores serão influenciados por isso.”
A Dame Blanche também se destaca pelo seu modelo de negócio. Em vez dos autores pagarem para terem seus livros publicados, a própria editora é quem paga a eles para publicar seus e-books. Por conta disso, o processo é mais lento do que o de uma editora tradicional, mas vale a pena: só em 2018, a dupla Martino e Madrigano pretende lançar mais dois novos títulos e trazer ainda mais diversidade ao mercado editorial. Vida longa e próspera!
Saiba mais sobre a editora no site: https://editoradameblanche.tumblr.com/
Fonte: Revista Galileu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …