Pular para o conteúdo principal

História preservada em sítios, trilhas e casarões no Maciço de Baturité

Situada em Pernambuquinho, Guaramiranga, a Fazenda Floresta mantém preservado o casarão do Século XIX. O local oferece circuito guiado ( Foto: Thiago Gadelha )
Chegando ao Maciço de Baturité, é preciso reservar dois ou três dias para desfrutar todas as atrações que a Rota do Café Verde oferece. Até porque, a prosa dos moradores é boa e o cenário pede tempo para ver detalhes e provar tantos sabores. Entre os meses de julho e agosto dá até para acompanhar a colheita feita como manda a tradição.
Em Mulungu, o Sítio São Roque é parada obrigatória. Referência no cultivo do café arábica sombreado, o local oferece aos seus visitantes o contato direto com todo o processo de beneficiamento do grão, desde o plantio até a torragem e degustação. E embora tenha perdido recentemente seu grande idealizador, "Seu" Gerardo Queiroz Farias, as memórias dos tempos áureos continuam inspirando gerações. Ali é possível realizar trilhas ecológicas e conhecer de perto a fábrica de café e o casarão do século XIX, rodeado de jardins e adornado pela capela da família

Em Guaramiranga
Principal destino turístico da região, a cidade de Guaramiranga também guarda as marcas do ciclo cafeeiro. No Sítio Águas Finas, desde 1939 a Família Uchôa cultiva o Café Guará. O cafezal devidamente instalado sob as ingazeiras emoldura as trilhas, onde se faz a degustação de frutas típicas. Um dos pontos altos do passeio guiado é a parada na Casa do Velho da Mata, onde os visitantes são abastecidos de informação e sabores.
Igualmente convidativa, a Fazenda Floresta situada em Pernambuquinho, distrito de Guaramiranga, também abre suas portas à visitação, mediante agendamento. Ali, um circuito guiado leva os visitantes a conhecer os processos de produção: banco de mudas, cafezal e beneficiamento do café. É possível pilar, torrar e moer o café que depois pode ser adquirido na lojinha de fábrica com a marca Ejóia.
Os mais animados para as compras podem conferir os outros itens produzidos artesanalmente na fazenda como açúcar mascavo, rapadura, farinha de banana, banana-passa, cachaça de banana e licores de sabores variados.

Pacoti
De arquitetura imponente, a Casa do Sítio São Luís é um convite para quem deseja "viajar" de volta ao tempo. Localizado em Pacoti, o complexo mantém preservada a cozinha, com seu fogão a lenha, tacho de cobre, panelas de barro e chaleira fumegante.
Aos sábados e domingos, depois da visitação e de ouvir as histórias que fizeram a fama do lugar, todos que chegam são convidados a terminar a visita se deliciando com um autêntico Café do Sítio, repleto de receitas de família como bolo de café, pães e geleias. Vale a visita!

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/