Mulheres dominam o júri do Festival de Cannes

Cate Blanchett, que sucede como presidente do júri o cineasta espanhol Pedro Almodóvar, será a 12ª mulher a comandar o júri em 71 edições do festival.
O anúncio dos vencedores do festival está previsto para 19 de maio.
O anúncio dos vencedores do festival está previsto para 19 de maio. (Alberto Pizzoli/AFP/Getty Images)

Um júri majoritariamente feminino, presididido pela atriz australiana Cate Blanchett e com as presenças das atrizes Kristen Stewart e Léa Seydoux, definirá o vencedor da Palma de Ouro, na primeira edição do Festival de Cannes desde as revelações de assédio sexual no mundo do cinema e do escândalo Weinstein.
"Diante de uma competição com um perfil renovado, que apresenta cineastas que comparecem pela primeira vez, o júri da próxima edição do Festival de Cannes convida cinco mulheres, quatro homens, sete nacionalidades e cinco continentes", anunciou o festival em um comunicado.
No júri, a atriz americana Kristen Stewart ("Crepúsculo") e a francesa Léa Seydoux ("Azul é a Cor Mais Quente") estarão ao lado do diretor canadense Denis Villeneuve ("Blade Runner 2049"), do francês Robert Guédiguian ("A Cidade Está Tranquila)" e da diretora americana Ava DuVernay ("Selma"), além do ator taiwanês Chang Chen, da cantora Khadja Nin (Burundi) e do diretor russo Andrei Zviaguintsev, vencedor do Prêmio do Júri no ano passado por "Sem Amor".
Cate Blanchett, que sucede como presidente do júri o cineasta espanhol Pedro Almodóvar, será a 12ª mulher a comandar o júri em 71 edições do festival e a primeira desde Jane Campion, em 2014.
A atriz de 48 anos, vencedora do Oscar, foi uma das primeiras celebridades a tomar posição contra o produtor Harvey Weinstein, acusado desde outubro do ano passado por agressão e estupro por várias mulheres, sobretudo atrizes.
"Após o escândalo Weinstein, o mundo não será o mesmo, o Festival de Cannes não será o mesmo", afirmou na semana passada o diretor geral do evento, Thierry Frémaux, ao anunciar a seleção oficial de filmes. Ele prometeu ainda a presença de organizações de apoio às mulheres.
A competição oficial terá três diretoras (contra 15 homens): a francesa Eva Husson, a italiana Alice Rohrwacher e a libanesa Nadine Labaki, um número menor que o registrado em 2011, por exemplo, quando quatro mulheres disputaram a Palma de Ouro.
Lars von Trier?
Após o anúncio dos filmes que disputarão a Palma de Ouro na semana passada, das produções da Semana da Crítica na segunda-feira e da Quinzena do Realizadores na terça-feira, a revelação dos integrantes do júri era o último passo para o festival, que começará em 8 de maio.
O filme de abertura do festival será "Todos lo saben", do iraniano Asghar Farhadi, rodado em espanhol e protagonizado por Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín.
A mostra oficial ainda pode receber mais filmes, como "The House that Jack Built", de Lars von Trier, com Uma Thurman e Matt Dillon, afirmou Thierry Frémaux.
O presidente do Festival, Pierre Lescure, "trabalhou nos últimos dias para retirar o status de persona non grata" do cineasta dinamarquês, que em 2011 causou polêmica em Cannes ao afirmar "entender Hitler". Depois o diretor pediu desculpas.
A imprensa especializada também cita a possibilidade de "High Life", da francesa Claire Denis, com Robert Pattinson, Patricia Arquette e Juliette Binoche, ser incluído na disputa pela Palma de Ouro.
O Festival de Cannes também tenta atrair a Netflix, que se recusa a participar do evento porque seus filmes não podem participar das mostras competitivas.
O anúncio dos vencedores do festival está previsto para 19 de maio.

AFP

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado