Pular para o conteúdo principal

Na escola de branco, um professor índio

Nascido na aldeia Gameleira, em Canindé, Júnior Kanindé é formado pelo Pitakajá (UFC) e está habilitado a ensinar disciplinas como história, matemática, português e ciências humanas
Transmitir conhecimentos e práticas sobre espiritualidade, crença, cultura, geografia, modo de vida, canto, dança e pintura dos kanindé é uma das atribuições do professor Antônio Saraiva Gomes, 32 anos, o Júnior Kanindé. As aulas têm ainda maior importância pelo cenário: uma "escola de branco" no Centro do município de Canindé.
Na Escola de Ensino Médio em Tempo Integral Capelão Frei Orlando, a oferta da disciplina eletiva (opcional) "História, cultura afro-brasileira e indígena em Canindé" atraiu 30 alunos do 1º e 2º ano, muitos sequer tinham conhecimento da etnia Kanindé na região.
"É muito diferente de eles pegarem um livro, que retrata o indígena nu e apenas dentro da tribo. O professor está quebrando esse estereótipo, mostrando que o índio faz parte da nossa vida. E isso é muito positivo, esse conhecimento diferenciado dos nossos alunos", afirma a diretora Idayana Bezerra.

Formado na primeira turma Pitakajá (UFC), em 2016, Júnior tem oito anos de experiência e

m magistério indígena. Por isso, pesquisou, no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), as visões do índio e do branco sobre a escola diferenciada. "Parti do princípio que nasci índio, vivi como índio, mas não estudei como índio. Entrevistei índios, brancos, professores, diretores. Cheguei a esta conclusão: os brancos acreditam que os índios existem, mas não acreditam na escola indígena. E acabam não deixando o filho estudar lá. A visão que o povo lá fora tem da escola indígena é de não acreditar que a gente ensina".
Nas funções atuais, o professor consegue desmistificar essa conclusão, vivenciando os dois modelos: ensina matemática para uma turma de EJA na Escola Diferenciada Manuel Francisco dos Santos, em Aratuba, e história e geografia para o 1° ano da Capelão Frei Orlando, além de três eletivas.

Herança
Quando foi aprovado na escola regular, Júnior disse que sua mãe questionou se deveria mesmo aceitar o desafio. E a resposta foi: "Mãe, a senhora sempre me disse que o que tinha pra deixar para mim como herança era o estudo. Então, como é que a senhora não quer que eu vá trabalhar numa escola de ensino regular por ser algo novo pra mim? Eu não estudei para ensinar somente a índio, estudei para ensinar o branco, o índio, o negro, estamos aqui para disseminar a nossa cultura e aprender com a cultura do outro".
Embora a disciplina esteja ainda na primeira turma (a eletiva dura um semestre), Júnior parece estar trilhando o caminho certo. Mescla aulas teóricas e práticas. A ideia é levar lideranças do povo kanindé à escola, e os alunos às aldeias.
Antes mesmo que a prática se concretize, Roque Pereira, 15 anos, do 1º. Ano, afirma: "Optei por fazer essa disciplina para que eu possa saber mais sobre essa cultura tão rica. O professor tem uma competência enorme. Tinha minhas dúvidas, questão da pintura, dança, e tudo isso ele está expondo, como fazem a religião deles, a adoração. Estou aprendendo bastante".
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …