Não ao irracional

Padre Geovane Saraiva*
O mundo como obra da criação de Deus deveria sempre mais favorecer a vida e a prosperidade como um todo, e nele a criatura humana como sua imagem e semelhança. Sendo assim, todos somos convidados a refletir e a gritar em alto e bom tom sobre o nefasto risco da irracionalidade dos que governam, quando vemos sempre mais comprometidos a vida e o direito de povos e nações. Vimos como Donald Trump agradece e comemora a cooperação da França e do Reino Unido, no ataque na madrugada de 14 de abril de 2018 contra a Síria: "missão cumprida". Sobre a ofensiva àquela população, Irmã Laudis, missionária brasileira da comunidade do Verbo Encarnado, que reside em Aleppo, no seu dadivoso testemunho do mistério da cruz Cristo, disse: "a verdade é que não queríamos acreditar que algo fosse acontecer".

Imagem do céu de Damasco nas primeiras horas do dia 14 de abril durante ofensiva dos Estados Unidos (Foto: AP Photo/Hassan Ammar)
Que a ação de Trump não seja uma ruptura com a racionalidade, embaraçando ainda mais a vida no planeta. Que tal ação não desestimule a meta e o sonho das pessoas de boa vontade, na luta por um mundo solidário e de paz, no sentido de bem se interpretar os sinais de Deus a nos indicar os rumos de uma nova civilização, na firme convicção de que a criatura humana deve estar no centro de todo e qualquer planejamento econômico, social e cultural. Indignação, certamente, mas que seja na busca da dignidade ética e moral, de acordo com o projeto de Deus, na perseguição dos sinais de fraterna esperança e convivência harmônica e pacífica. 

No aniversário dos 292 anos da cidade de Fortaleza (13/04/2018), a quinta maior população brasileira, reflitamos e pensemos em uma civilização sólida e inclusiva, baseada nos princípios cristãos, ao contrário da história da Torre de Babel. Que fique bem clara a pretensão dos homens daquele tempo, que queriam construir uma cidade e uma torre, cujo ápice penetrasse nos céus. Os homens queriam mostrar que eles eram capazes de conseguir tudo sem Deus. Queriam mostrar que eles eram poderosos, capazes de superar Deus; isso acabou não dando em nada.

Jamais se pode pensar em construir ou sonhar com um povo forte, grande e civilizado sem Deus, como nos assegura o Salmo 127, 1s: "Se Deus não constrói a casa, em vão trabalham os seus construtores; se Deus não cuida da cidade, em vão vigiam as sentinelas". Deus quer, pela presença viva de Jesus, animar a vida de seu povo. A ressurreição de Jesus nos indica que, apesar de nossas limitações, medo e dúvida, sua tarefa da cruz prolonga-se através da ação humana, sustentada pela força vivificadora do seu Espírito. Amém!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

MEU PROFESSOR: MEU SUPER-HERÓI

Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

Dentro da rotina das redes sociais, mulheres dividem as dificuldades e os pontos positivos de expor a maternidade

A Palavra Não