Pular para o conteúdo principal

Recusa: pés dos migrantes

Padre Geovane Saraiva*
Quando olhamos para o mundo dos refugiados e dos imigrantes, vemos como são grandes os apelos por constante esforço de acolhida e solidariedade entre os povos, consequência da fé e da esperança que chegam a nós de muitos modos, em variados tempos e circunstâncias. Na feliz ocasião da celebração da Páscoa do Senhor, na qual se experimenta a vitória da vida sobre a morte, a liturgia da Igreja está a nos dizer que é tempo de superar o egoísmo, o medo e o desânimo e nos convida a dizer não às nossas próprias ideias. Como seguidores de Jesus ressuscitado que somos, que o nosso compromisso seja de levar paz onde há discórdia, vida onde há sinais de morte. A postura de Tomé vai muito além do gesto de agnóstica indiferença - nas razões para crer ou para não crer. A incredulidade de Tomé foi providencial, porque seu gesto de tocar nas feridas de Jesus marcou profundamente a humanidade, consolidou a nossa fé e nos afasta de qualquer dúvida.

Foto: Heli Moreira
Paróquia santo Afonso - Fortaleza
Parece algo inacreditável para o mundo cristão e civilizado o cancelamento da cerimônia do lava-pés, na Igreja de San Michele Arcangelo, diocese de Oria, em Manduria, província de Taranto, Itália. Isso aconteceu entre os fiéis na celebração litúrgica, na qual deveriam estar imigrantes ou refugiados. Mas a reação foi negativa e contundente do sacerdote: “Se eles tivessem vindo, eu não estaria aqui” ("Correiere della Sera", de 2 de abril de 2018). É o ministro dessa Igreja contribuindo com provas, infelizmente, na profecia do Papa Francisco: cresce a “globalização da indiferença” contra a “cultura do encontro, do intercâmbio e da solidariedade”. Quantas barreiras a superar, quando tudo parece ser consenso dentro da Igreja, no contexto do testemunho e da hospitalidade.

O pároco daquela Igreja europeia, em sua alegativa de cancelar a cerimônia do lava-pés porque entre os fiéis participantes no ritual deveriam estar os imigrantes, foi muito infeliz: “Se eles tivessem vindo, eu não estaria aqui”. A palavra de ordem do Papa Francisco, na sua permanente luta por um mundo mais justo e inclusivo, no constante esforço de construir pontes, contraria a lógica do mundo, insistindo na edificação de muros.

Que Deus nos dê a graça, pela força da Eucaristia, a exemplo de São Tomé, em enxergar a face de Deus também no estrangeiro e imigrante. Assim seja!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortalezageovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …