SUPERSÉRIE: "Onde Nascem os fortes" estreia hoje e apresenta sertão denso

O sertão entrou no rol de produções globais. Duas Irmãs, Amores Roubados e Velho Chico são exemplos de recentes investimentos da emissora que utilizam os cenários e paisagens como fonte de desenvolvimento das histórias. E ele aparece não apenas como lugar, mas quase como um personagem, da chamada supersérie que estreia na noite de hoje: Onde Nascem Os Fortes. Ambientada em uma cidade nomeada “Sertão” e tendo 2018 como tempo de ocorrência, a produção televisiva mostra a busca de Maria (Alice Wegmann) e Cássia (Patrícia Pillar) após o sumiço de Nonato (Marco Pigossi), irmão de Maria e filho de Cássia.
Julio Cesar Fernandes - especialista em televisão - explica que o uso do sertão como estilo de narrativa e cenário é um recurso “bem-vindo” e, cada vez mais, deve ser explorado. “Afinal, o sertão faz parte do Brasil e tem histórias e personagens a serem explorados de várias maneiras, em vários estilos narrativos diferentes. Não apenas romance, mas também suspense, drama, comédia”, pontua Julio, que também é professor da pós-graduação em Produção Transmídia da Faculdade Cásper Líbero.
Onde Nascem Os Fortes, ele explica, pode acrescentar não apenas por mostrar os aspectos físicos do ambiente, mas colocando o sertão em outro entendimento. “Não apenas a perspectiva do passado e da história, mas com perspectivas de uma produção contemporânea”, acredita Julio Cesar. O ator pernambucano Jesuíta Barbosa, intérprete da Shakira do Sertão na produção que estreia hoje, destaca o deslocamento espacial que beneficia o resultado final. “É um trabalho que o Zé (José Luiz Villamarim, diretor artístico da trama) propõe, de você vivenciar de verdade aquele lugar. Faz parte do processo esse sentimento de pertencimento para que você possa mergulhar no personagem. O sertão é instigante para qualquer pessoa que o conheça”, diz Jesuíta.
A supersérie mostra a paixão entre Maria e Hermano (Gabriel Leone) sendo interrompida após o misterioso sumiço de Nonato. Cássia sai de Recife, onde trabalhava como engenheira química, para morar na cidade fictícia e se engajar na busca pelo filho. A última pista do rapaz é a passagem dele por um bar, onde Nonato teve uma briga com o empresário Pedro Gouveia (Alexandre Nero), que é pai adotivo de Hermano.
“Onde Nascem os Fortes trata de afetos perdidos e de como a busca por alguém pode jogar esses personagens num outro caminho, na busca de suas próprias origens”, explica George Moura, autor da trama ao lado de Sergio Goldenberg, em entrevista ao O POVO. A trama, explica o escritor, é uma narrativa longa - são 53 episódios - mas possui poucos personagens. “Assim temos a chance de aprofundar, para além dos vários conflitos de trama, as contradições dos próprios personagens. E parte dessa história, as mudanças pelas quais os personagens passam no seu curso da trama. É um desafio grande que nos exigiu uma elaboração ainda maior na escrita”, diz.
José Luiz Villamarim, que assina a supersérie, é um dos diretores mais reconhecidos da televisão brasileira. Desde O Rei do Gado (1996) até Avenida Brasil (2012) e as recentes Amores Roubados e O Rebu (ambas de 2014), ele sempre conseguiu engajar multidões nas tramas. George Moura explica que a parceria entre os dois autores e o diretor foi fundamental para a edificação da supersérie. “Estamos em busca de contar uma história que trate do quão fascinante e perigosa pode ser a paixão”, diz o autor.
SERVIÇO
Onde Nascem Os Fortes
Supersérie da TV Globo
Quando: hoje, 23 de abril, às 22h25min
Primeiro episódio já disponível para assinantes do Globo Play
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado