69° Salão de Abril reflete sobre a cidade, política e ocupação

Um dos principais eventos da arte do País, o Salão de Abril inaugurou sua 69ª edição no último dia 26. Neste ano, o evento volta a ser promovido pela Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria da Cultura do Município (Secultfor), após uma edição “sequestrada” pelos artistas em 2017, feita sem apoio do poder público. O enfrentamento da classe artística segue, no entanto, aguçado. Na segunda, 30, o Vida&Arte fez uma visita guiada pelo curador Paulo Klein à Casa do Barão de Camocim, onde as obras estão expostas.
Imponente construção histórica que fica em frente à Praça da Bandeira, a Casa (finalmente aberta ao público após restauro e reforma) se colocou como um desafio para a equipe curatorial, juntamente com a presença forte de linguagens menos tradicionais, como instalações, performances e vídeo-instalações. “Procuramos fazer uma adequação a esse espaço, que não é museológico. É um casarão cheio de portas, janelas, e tivemos que nos adequar a isso, às paredes existentes, aos espaços da casa”, explicou. É significativo, por exemplo, que obras como Ossuário, de Diogo Braga, e Desculpe a Paz Que Lhe Roubei, de Darwin Marinho, ocupem logo na entrada espaços da Casa com elementos que desafiam a “pompa” histórica da edificação.
 
Para além da utilização do prédio, outra intenção da curadoria foi estimular a relação entre a exposição e a Cidade. “Me atraía a ideia de usar a Casa, mas transborda-la. Existe essa ideia de sair daqui para a comunidade e, da comunidade, voltar para cá”, apontou. Tal transbordamento é proposto por obras como as intervenções Leve Uma, Talvez Você Precise, de Júnior Pimenta, Intervenção Contra Intervenção, do Coletivo Aparecidos Políticos, e Cartas aos 31, de Sheryda Lopes. Outras atividades que procuram estimular essa relação, como performances, workshops e rodas de conversa, terão seu calendário divulgado nesta semana.
INSTALAÇÃO Obra de Darwin Marinho ocupa sala com peças de roupas dispostas no chão, no espelho e em varais
INSTALAÇÃO Obra de Darwin Marinho ocupa sala com peças de roupas dispostas no chão, no espelho e em varais
O plano extra-Casa, não por acaso, tem plena relação com os posicionamentos políticos da classe artística, em especial aqueles ligados à ocupação e memória. “A questão das ruínas existe em várias instâncias do pensamento. Uma cidade, como Fortaleza, tem lugares desabando, pelo Centro inclusive”, ilustrou. Neste sentido, o segundo andar do prédio guarda a videoarte Banho de Ruínas, de Léo Silva, que dialoga com as fotografias do Futuro em Ruínas, de Mariana Smith. “As coisas vão se encaixando. As ruínas dele tem a ver com as dela, que vão ter a ver com o trabalho do Weaver Lima (a intervenção Rastro) na Vila Vicentina. O artista se conecta com problemas da Cidade para trazê-los para cá. Esperamos que o Salão vá num crescendo, tenha receptividade de novas audiências. É uma forma de ocupar uma área importante da Cidade, entre outras que existem em processo de degradação”, aponta.
“No aspecto político, a produção visual daqui é sintonizada com o sistema nervoso nacional, o mundial. Talvez porque se trata, em boa parte, da produção de artistas jovens. Os mais experientes dificilmente passam dos 40. E todos são interligados, foram alunos uns dos outros, trabalharam juntos. É uma herança passando e renovando a produção local de forma vigorosa”, considerou. “O evento sempre foi um espaço de discussão, propostas da classe artística. Uma das ideias é que esse espaço se torne um centro de debates. Temos muitos enigmas a serem decifrados aqui”, instiga.

SERVIÇO
69º Salão de Abril
Data: até 26 de junho.
Visitação: terça a sexta, de 9 às 20 horas. Sábado, de 9 às 17 horas. Domingo, de 13 às 17 horas.
Local: Casa do Barão de Camocim (Rua General Sampaio, 1632)
Infos: www.salaodeabril.com.br/
JOÃO GABRIEL TRÉZ
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira