ARQUIVO PÚBLICO: digitalização de arquivos cartorários do Ceará, dos séculos XVIII, XIX e XX


A ação leva o Ceará a compor, com diversos outros estados brasileiros, a Árvore Genealógica Digital Mundial

Já imaginou poder consultar a história da sua família desde o surgimento dela, descobrir quem foram seus antepassados, por quais cidades, estados e países eles estiveram, e tudo online? Pois isso, em breve, não precisará ficar apenas na imaginação. É que aqui no Ceará, o Arquivo Público do Estado em uma parceria com a Instituição Family Search abraçaram este "sonho". Entre aspas mesmo, visto que a catalogação de registro digitalizados exigiria um investimento altíssimo por parte dos governos. O marco inicial da parceria foi o mês de abril de 2018, período em que começaram a catalogar todo e qualquer documento que comprove a passagem das pessoas que nasceram, casaram, residiram e faleceram no Ceará, entre o século XVIII ao século XX.  Deste modo, em alguns anos, qualquer pessoa poderá ter acesso online, pelo site da Family Search, aos registros de seus antepassados.

A ideia é limpar, digitalizar e catalogar os registros dos cartórios de Fortaleza e do interior do Estado, que estavam guardados no Arquivo Público Estadual do Ceará, localizado à Rua Senador Alencar, 348, no Centro de Fortaleza. E, com isso, alimentar os arquivos digitais abertos à consulta online, de uma das maiores coleções da árvores genealógicas do mundo, pertencente à Instituição conveniada, com sede em Salt Lake City, no Estado de Utah, nos Estados Unidos.

Desde o início da reforma do Arquivo Público, os documentos de registros cartorários do Ceará, do referido período, foram transferidos para o Galpão da Refsa que hoje abriga não só o Arquivo Público, como também a Biblioteca Pública Espaço Estação, ficando à disposição da comunidade, de modo a manter os trabalhos de conservação, catalogação e o acesso à pesquisa. Esta parceria firmada permitirá que documentos que estavam bastante degradados pelo tempo, alguns quase perdidos, ou mesmo com muitos fungos, recebam o tratamento de limpeza/higienização com, posterior, digitalização e catalogação. Este trabalho, se realizado por uma empresa privada contratada, custaria aos cofres públicos uma enorme quantia.

Diante dessa realidade, no Brasil, 18 Estados já firmaram a mesma parceria, tais como São Paulo (Arquivo Público), Paraíba (cartórios), Rio Grande do Sul (registro de escravos), entre outros, e estão em diferentes fases da execução, umas já finalizadas e outras em andamento. Além da catalogação, nestes espaços citados, outros locais também têm realizado a mesma parceria, como é o caso de algumas dioceses católicas espalhadas pelo país, visto que as mesmas abrigam os registros de batismo anteriores a 1920, ano em que a exigência de registro civis tornou-se obrigatória. Acredita-se que, anterior a esta data, muitas pessoas só tinham os registros de batismo, portanto sequer existiam dados sobre seus nascimentos ou mortes.

O Mini-Estúdio

Em cada local, são instaladas unidades de trabalho compostas por maquinas fotográficas, computador e lâmpadas, formando um mini-estúdio. Os operadores são terceirizados pela empresa de Recursos Humanos... e trabalham em uma linha de produção setorizada por higienização e digitalização dos livros, com xx pessoas, todos, devidamente, equipados com toucas, óculos de proteção, aventais, etc.

O trabalho consiste em fotografar e digitalizar cada folha dos livros cartorários, com definição entre 9 e 20 megas. Cada operador tem a meta de fazer xx fotos por dia. E, ao final de cada semana, a empresa responsável pela digitalização envia os HDs para a sede na cidade de Salt Lake City, onde será feito o armazenamento da informação em um enorme cofre projetado para resistir até a uma guerra nuclear, servindo portanto, como uma grande árvore genealógica universal, que pode ajudar as atuais gerações e as próximas a localização as histórias de vida de seus antepassados.

Cartórios que participam da ação

Cartórios da capital: João Machado, Ossian Araripe, Pergentino Maia,  Cartório Jereissati, Alexandre Rolim,  Alencar Araripe, Norões Milfont, cartório Cysne, Aguiar, Álvaro Melo, Feijó, Silveira Marinho, Sales Bezerra, Botelho, Cartório Gilda, Cartório Florêncio e cartório Facundo.

> A tipologia documental compreende Registros de Nascimentos, Casamentos, Óbitos, Testamentos, Inventários, Escrituras diversas, Procurações, Registros de Imóveis, Arrolamentos, Processos Cíveis, Processos Criminais, Sentenças e Atas de Júri;

Cartórios do Interior do Estado do Ceará cujos documentos estão custodiados pelo APEC: Acaraú, Aracoiaba, Aracati, Aurora, Boa Viagem, Baturité, Brejo Santo, Campo Grande (Guaraciaba do Norte) , Camocim, Canindé, Capistrano, Farias Brito, Itapiuna, Itapipoca, Ibiapina , Icó, Iguatú, Iracema, Itapajé, Jaguaribe, Jaguaruana, Jardim, Jucás, Juazeiro do Norte, Lavras da mangabeira, Limoeiro do Norte, Maranguape, Milagres, Pacatuba, Quixadá, Quixeramobim, Redenção, Reriutaba, Santana do Acaraú, São Benedito, Sobral, Solonópole, Saboeiro, Tamboril, Tauá, Uruburetama, Ubajara, Várzaea Alçegre e Viçosa do Ceará.

> Tipologia documental: Certidões de Casamentos, nascimentos e Óbitos


Fonte: SECULT

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira