Pular para o conteúdo principal

Aula de Inglês coloca aluno no centro com palestra e poesia

A partir da combinação de técnicas do TED Talk e da poesia, os alunos despertam para expressão e ampliam vocabulário
Por: Soraia Yoshida
Foto: Getty Images
Criar uma atividade para sua aula de Inglês, colocando o aluno no centro do aprendizado e utilizando as mídias disponíveis, como está na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), pode ser menos desafiador do que parece. A partir da Oficina Literária apresentada para formação de professores do Time de Autores, NOVA ESCOLA apresenta uma sugestão que pode servir de base para aulas de Língua Inglesa.
Aluno aprende a dar uma palestra
O professor apresenta à classe o desafio de que cada aluno da classe pode ser um palestrante. O exemplo é um vídeo do TEDTalk. TED é uma organização que posta vídeos de palestras curtas, mas sempre feitas por profissionais das mais diversas áreas, de maneira interessante. Por trazerem conteúdo tão diverso, os vídeos podem ser usados em aulas de Ciências, História, Geografia, Biologia, Física, Matemática etc.
No vídeo do TEDTalk, o especialista em som e comunicação Julian Treasure afirma que nós gastamos 60% do tempo em que nos comunicamos com os outros ouvindo, mas que só absorvemos de fato 25% - o que o leva a crer que estamos perdendo a capacidade de ouvir. A partir daí, ele explica o que fazer para exercitar e melhorar nossa capacidade de ouvir a natureza, o mundo, aos outros e até nós mesmos. E propõe caminhos para que nos tornemos o que chama de "ouvintes conscientes".
A partir do vídeo, o professor pode puxar uma discussão rápida para levantar os principais pontos da palestra. Qual a mensagem? Nós ouvimos tudo o que é dito? O que está acontecendo com nossa capacidade de ouvir? O que podemos fazer para melhorar nossa audição?
Na sequência, o professor divide a classe em grupos e propõe aos alunos que pensem em um tema qualquer que poderiam explorar em uma palestra como a que assistiram. Eles podem escrever os pontos principais do que querem dizer, qual tese vão desenvolver e qual a conclusão dessa tese, baseada em fatos. Para montar uma palestra de sucesso, é importante estar atento a alguns pontos: a tese/mensagem deve ser clara; deve ter uma abertura, desenvolvimento e conclusão; linguagem compreensiva; uso de linguagem e outros recursos para favorecer a compreensão.
Depois, cada aluno do grupo falará sobre seu tema aos colegas. E eles vão dizer se o tema captou sua atenção, se compreenderam a exposição de ideias. Na oficina do Time de Autores, os professores tiveram cinco minutos para preparar sua palestra sobre quais são as habilidades essenciais para um professor e apresentaram oralmente aos colegas em três minutos.
Com essa atividade, os alunos vão melhorar sua capacidade de interpretação de ideias e explorar seu vocabulário, dentro de um contexto apresentado. Essa atividade pode ser explorada em uma aula ou dividida com uma outra atividade complementar.

Aluno descobre o som e o ritmo da poesia
As oficinas literárias são uma forma eficiente de apresentar diferentes gêneros de narrativa para os alunos. Neste exemplo, temos uma oficina de poesia, que partiu de um texto da poeta canadense Margaret Atwood, autora do "Conto da Aia", que se tornou uma série de sucesso da Netflix. O professor apresenta um áudio do poema "Spelling", em que a sonoridade é semelhante a de um robô. Segue-se uma discussão rápida sobre o significado do poema. Logo depois, os alunos podem se reunir em grupos para tentar sua própria versão do poema e apresentá-la diante da classe.
Após a apresentação, o professor pode apresentar uma leitura de poema para sua turma. Na oficina literária do Time de Autores, o vídeo apresentado trouxe a poetisa nascida na Jordânia, Suheir Hammad, declamando seu poema "What I will", em que critica a guerra.
Essa atividade pode ser apresentada em uma aula, com exposição, interpretação e organização para apresentar os poemas oralmente.
Fonte: Nova Escola

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…