Bibliotecas comunitárias buscam curar feridas após chacinas no Curió e no Barroso

A imaginação corre, pula, voa quando a gente se entrega à leitura. Duas iniciativas de biblioteca comunitária dão às comunidades do Curió e do Barroso, marcadas pela violência através de duas grandes tragédias – A Chacina do Curió, em 2015, e a Chacina das Cajazeiras, em 2018 -, a oportunidade de criar mundos possíveis através da leitura.
A liberdade do livro
Livraria Curió
A Livro Livre Curió. biblioteca comunitária do bairro, funciona dentro de uma esmalteria. (FOTO: Reprodução/Facebook)
Na Livro Livre Curió, a democratização dos livros é o jeito de chamar e acolher quem deseja abrir a mente. A iniciativa foi de Talles Azigon, que sempre nutriu esse desejo. No aniversário, decidiu se presentear criando o espaço na própria casa. Com o apoio da amiga Anita Moura, que também foi sua aluna, a biblioteca nasceu.
Ele jogou a ideia no Facebook, os amigos ajudaram na doação de livros, estantes. Na esmalteria da mãe dele, há um mês nascia a Livro Livre Curió. Há 13 trabalhando com produção de eventos literários e mediação de leitura, não foi difícil encontrar motivação.
“Sempre fiz ações e projetos voltados pra leitura e para a literatura. É algo da minha prática do cotidiano. Acredito que a literatura é a possibilidade dentro de uma outra existência. A ideia foi bem recebida. Muitas das doações que temos hoje vieram da própria comunidade. Nesse primeiro mês, foram mais de 200 livros circulando. Todo dia tem pelo menos umas 10 pessoas que vêm buscar”, disse o poeta.
A Livro Livre Curió nasceu como ponto de esperança para uma comunidade que também vive os dramas da violência. No local, há quase três anos, ocorreu a Chacina do Curió, onde 11 pessoas foram mortas.
“O problema maior é que, não só nessa, mas várias comunidades são carentes de equipamentos públicos. A gente não tem teatro, cinema, não temos muitas outras coisas. A importância dessa atividade ou de qualquer outra que vise o acesso a esse tipo de equipamento é prioritário, porque dentro de uma escassez imensa de recursos e atividades, esse tipo de projeto é totalmente vital”, avaliou Talles.
Viva Barroso
Biblioteca Barroso
A biblioteca comunitária Viva Barroso foi criada há quase dois anos. (FOTO: Divulgação)
Prestes a completar dois anos, a Biblioteca Viva Barroso foi fruto do apreço de um grupo de amigos pela leitura. A ideia era de um grupo de estudo, mas não deu certo. No entanto, a intenção de ter um espaço para guardar livros e abrir ao público seguiu firme.
Cerca de 100 pessoas estão envolvidas no projeto. O espaço ainda é pequeno, mas o acervo de quase 2000 livros é variado. A comunidade, claro, recebeu o espaço de maneira positiva. Cerca de 250 pessoas frequentam o local com regularidade.
“Hoje, elas têm um hábito de leitura que talvez não tivessem antes. Alguns jovens têm falado da biblioteca na escola. As pessoas têm incentivado umas às outras a ler. Talvez isso crie um novo ambiente e traga novas reflexões ao bairro”, disse Raphael Rodrigues, um dos idealizadores da biblioteca.
Há quatro meses, o bairro também sofreu com ações violentas da criminalidade. Foi lá que ocorreu a Chacina das Cajazeiras, quando 14 pessoas foram mortas.
“Foi uma coisa que mexeu com todo mundo, o bairro não se movimentou da mesma maneira depois da chacina. É uma coisa que mostra que, talvez, o mais importante seja que as pessoas entrem no espaço público e utilizem. E a biblioteca vai se inserindo nisso. É um ponto de encontro e de saída de várias vozes”, avalia Raphael.
Se a leitura é porta para novos mundos, os caminhos para transformar e melhorar a realidade têm sido desenhados por iniciativas como a Livre Livro Curió e Viva Barroso. Afinal, celebrar a imaginação é também celebrar um futuro possível, de um mundo mais justo.
Serviço
Biblioteca Viva Barroso
Avenida Capitão Waldemar de Paula Lima, 680, Barroso 1
Funcionamento: Terças, Quintas e Sextas (14h às 18h) e Sábado (13h30 às 17h)

Biblioteca Livro Livre Curió
Rua George Sosa, 109, Curió
Funcionamento: Segunda a domingo (8h às 20h)

Tribuna do Ceará

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

14 etnias não têm seu idioma original preservado no Estado do Ceará

Adjetivando a vida

Intolerância: arma dos preconceituosos