Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou nesta terça-feira (15) uma série de mudanças para o Prêmio Jabuti

Silviano Santiago, um dos vencedores do Jabuti em 2017 na categoria romance, com o livro "Machado", editado pela Companhia das Letras
A Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou nesta terça-feira (15) uma série de mudanças para o Prêmio Jabuti. Agora a premiação tem 18 categorias (eram 29 no ano passado), premia apenas o primeiro colocado de cada uma delas, e escolhe um vencedor como Livro do Ano, que vai receber R$ 100 mil - o vencedor de cada categoria recebe agora R$ 5 mil (eram R$ 3,5 mil em 2017).
Os vencedores serão conhecidos na cerimônia de entrega do Prêmio, no dia 8 de novembro, às 19h, no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo. Antes disso, a CBL anuncia 10 finalistas de cada categoria.
Duas novas categorias foram criadas: formação de novos leitores e impressão. A primeira vai selecionar iniciativas que despertem interesse pela leitura; a segunda; prestigiar processos de impressão (o livro e a editora serão premiados, e quem recebe o prêmio em dinheiro é a gráfica responsável).
"O Jabuti é uma edificação pronta, só estamos fazendo a reestruturação", disse o curador Luiz Armando Bagolin em coletiva de imprensa na sede da CBL. "Ele foi criado como um prêmio para celebrar o mercado editorial e se tornou um ativo cultural da sociedade brasileira, as mudanças são uma homenagem do mercado ao leitor".
Eixos
O Prêmio agora se divide em quatro eixos, cada um com subcategorias. Literatura (Romance, Poesia, Conto, Crônica, Infantil e Juvenil, Tradução, HQ); Ensaios (Biografia, Humanidades, Ciências, Artes, Economia Criativa); Livro (Capa, Projeto Gráfico, Ilustração, Impressão); Inovação (Formação de Novos Leitores, Livro Brasileiro Publicado no Exterior). Cada uma das 18 categorias terá apenas um vencedor, e não três, como ocorria no passado. Todos os livros vencedores no eixos Literatura e Ensaios concorrem ao prêmio de Livro do Ano.
O recebimento das obras (exceto daquelas inscritas no eixo Livro) agora passa a ser digital, em formato PDF, e não mais com os livros enviados.
Autores independentes, sem vínculos com editoras, também passam a ter desconto no valor de inscrição (R$ 327 contra R$ 430 para não associados da CBL; associados pagam R$ 285 por inscrição).
De qualquer forma, respeitando a Lei do Livro, o regulamento exige que os livros tenham ISBN e ficha catalográfica (que não precisa ser feita por uma editora). O júri de cada categoria será formado por nomes indicados à CBL e referendados pelo conselho curador do Jabuti (como ocorreu ano passado). As inscrições das indicações ao júri abriram nesta terça (15), e vão até o dia 15 de junho. Os jurados, três por categoria, terão um prazo para indicar 13 obras do universo de inscritos no Jabuti e dois meses para avaliação dos títulos.
"Sugestões podem vir de todos os envolvidos, e conflitos de interesse serão resolvidos pelo conselho", explica Bagolin. "A consequência de mudar esse processo é a de evitar só acadêmicos no júri, a tendência é democratizar".
O conselho curador é formado por Tarcila Lucena, Mariana Mendes, Pedro Almeida e Jair Marcatti. Todas as mudanças têm por objetivo aproximar o Jabuti dos leitores e também dar mais reconhecimento à promoção da leitura, segundo o curador. Para ele, a diminuição no número de categorias não representa necessariamente redução no número de contemplados.
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Prêmio Sesc de Literatura encerra inscrições na quinta-feira (14)