Congresso Nacional celebra literatura piauiense

Plenário do Senado Federal durante sessão solene do Congresso Nacional destinada à comemoração do centenário da Academia Piauiense de Letras (APL).  Em posição de respeito, convidados e parlamentares acompanham execução do Hino Nacional.  Mesa: desembargador do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, Carlos Pires Brandão; deputado Paes Landim (PTB-PI); vice-governadora do Piauí, Margarete Coelho; presidente e requerente da sessão, senador Elmano Férrer (Pode-PI); senadora Regina Sousa (PT-PI); presidente da Academia Piauiense de Letras (APL), Nelson Nery Costa; presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seccional Piauí, Francisco Lucas Costa Veloso; membro da Academia Piauiense de Letras (APL) e senador no período de 1987 a 2001, Hugo Napoleão.  Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Marcos Oliveira/Agência Senado
O Congresso Nacional realizou nesta segunda-feira (21), no plenário do Senado, uma sessão em homenagem aos 100 anos de existência da Academia Piauiense de Letras (APL).
Requerente da sessão, o senador Elmano Ferrer (Pode-PI) destacou que a cultura é o maior patrimônio de uma sociedade, e que a APL tem o reconhecimento da população do Estado pelo papel que cumpre na preservação e divulgação de sua literatura e pela atuação marcante que possui no ambiente cultural piauiense.
— A história da APL imbrica-se com a história de nossa cultura durante estes 100 anos. A Academia cumpre com louvor esta missão de honrar o passado, construir o presente e semear o futuro desta cultura — pontuou Ferrer, acrescentando que passaram pela APL nomes que marcaram as letras também a nível nacional, como o economista João Paulo dos Reis Velloso e o jornalista Carlos Castello Branco, entre outros.

Livros e cordel

Durante a homenagem, a senadora Regina Sousa (PT-PI) comunicou aos acadêmicos presentes que apresentou dois projetos buscando valorizar os livros e a literatura de cordel. O primeiro determina a instalação de um pequeno acervo de livros paradidáticos e de literatura infantil em todas as salas de aula do 1º ao 5º ano do ensino fundamental (PLS 158/2016). O objetivo é incentivar o gosto pela leitura nas crianças e desburocratizar as bibliotecas.
A segunda proposta, para a qual Regina também pediu apoio, é o PLS 138/2018, que inclui o estudo da literatura de cordel, do repente e de outros cantos de improviso no currículo da educação básica.

Vanguarda e periferia

O atual presidente da APL, Nelson Nery, ressaltou o papel de vanguarda cumprido pela instituição já em 1918, que nesta época realizou eventos sobre o anticlericalismo, a Revolução Russa e o marxismo, além da emancipação dos direitos das mulheres.
— Amélia Bevilácqua foi uma das primeiras acadêmicas da APL, numa época em que a Academia Brasileira de Letras não admitia sequer que as mulheres concorressem a alguma vaga existente.
Nery ainda mencionou a atuação do Museu da Cultura Literária Piauiense, gerido pela APL, que tem realizado eventos voltados para os jovens, para moradores de periferia e também para quem vive em cidades do interior. Ele lembrou que o auditório da APL em Teresina continua sendo o principal centro de lançamento de novas obras produzidas pelos escritores do estado.
O deputado Paes Landim (PTB-PI), outro requerente da sessão, citou que também fizeram parte da APL em sua história o jornalista Odylo Costa Filho e o ex-presidente do Senado, Petronio Portela. Também esteve presente o ex-senador Hugo Napoleão, que é membro da academia.
Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Prêmio Sesc de Literatura encerra inscrições na quinta-feira (14)