Dois livros de Alejandra Pizarnik, sombria e genial poeta argentina, quebram seu ineditismo no Brasil

por Dellano Rios - Editor de área
As hagiografias, narrativas de vida dos santos, dão uma importante lição sobre a forma com que contamos histórias. Conhecer o fim - e a morte é o fim por excelência - ajuda a reescrever todo o resto, como se cada episódio prenunciasse o desfecho. Destes homens e mulheres iluminados, procura-se sempre os sinais de santidade.
Alejandra Pizarnik não foi santa, mas sua morte garantiu um tipo de canonização. Vem de longe a predileção, no mundo das artes, por existências trágicas. A da poeta argentina, certamente, pode ser vista assim. Pizarnik morreu em 1972, após ingerir, de propósito, 50 comprimidos de um sedativo. Tinha 36 anos e uma bibliografia que já contava 12 títulos, a maior parte de poemas, mas com incursões pela prosa e pelo teatro.
As circunstâncias de sua morte, em meio a um tratamento psiquiátrico, por conta de recorrentes mergulhos na depressão, imprimiram sombras em seus poemas. A qualidade de sua obra, aliado ao fascínio pelos suicidas literatos, fez crescer um culto. Não poucas vezes, iniciados e iniciantes passaram a ler seus versos como se vivesse um romance policial; entre uma palavra e outra, no salto entre linhas, buscavam pistas para desvendar sua morte, como se cada poema fosse bilhete de despedida cifrado.
Dois livros da autora - "Árvore de Diana" (1962) e "Os trabalhos e as noites" (1965) - acabaram de chegar às livrarias, com tradução de Davis Diniz. São os primeiros, de poemas, da autora lançados no País em edição comercial, pela Editora Relicário. A Alejandra Pizarnik que emerge da leitura destes poemas não é a figura unidimensional, trágica, que ruma sem desvios para sua morte.
Fazer poético
"Durante um bom tempo, a tônica com que a crítica acabou lendo a obra de Pizarnik foi essa, da figura que pouco se encaixava socialmente", explica Davis Diniz, doutor em teoria literária e tradutor dos dois livros lançados pela Relicário. Em seu trabalho, o tradutor buscou uma visão mais complexa, sem reducionismo.
Um olhar possível é o de uma poeta que imprimia em seus poemas uma reflexão sobre o próprio fazer poético. Demasiado consciente de seu ofício, Pizarnik não envereda pela metalinguagem explícita, como no poema 28 de "Árvore de Diana": "te afastas dos nomes/ que fiam o silêncio das coisas" ("te alejas de los nombres/ que hilan el silencio de las cosas" ).
Esta abordagem tem a ver com uma mudança na forma como a crítica lê Pizarnik. Mudança, explica Diniz, que vem com um livro do escritor e ensaísta argentino Cesar Aira. Publicado há duas décadas, "Alejandra Pizarnik" questionava a redução psicanalítica da crítica em relação à obra da poeta. "Aira alertava que era importante não ler a obra pela biografia. Houve momentos em que acabou predominando, entre os críticos, a ideia de reduzir Pizarnik aos lugares comuns, do suicídio, da loucura, da figura que não se encaixava socialmente".
De fato, a obra de Pizarnik é repleta de imagens sombrias. A atmosfera dos poemas é onírica, o que faz a autora ser comparada, frequentemente, aos surrealistas. Mas, de fato, a semelhança parece ser resultado menos de uma influência direta do que da partilha de referências em comum. É o caso de poetas "malditos" como o Conde de Lautréamont (1846-1870) e Arthur Rimbaud (1854 - 1891).
Aliás, é impossível não pensar em Rimbaud e seu verso "Eu é um outro" ("Je est un autre"). A poesia de Pizarnik se assemelha a um jogo combinatório, de palavras (espelho, alba, sombra, cinzas,...) e ideias. Uma delas é do duplo, com a autora expressando uma cisão de si mesma. Em "Silêncios", poema de "Os trabalhos e as noites", ela diz: "A morte sempre ao lado./ Escuto seu dizer./ Só me ouço" ("La muerte siempre ao lado./ Escucho su decir./ Sólo me oigo").
Descompasso
Davis Diniz é autor de uma pesquisa que articula os campos literários argentino e brasileiro. Ele trabalhou na Relicário no projeto de edição de Pizarnik que, após idas e vindas, conseguiu apoio do programa SUR, do governo argentino, que incentiva traduções de obras literárias do país em outros idiomas. Com a editora Maíra Nassif Passos, chegaram a "Árvore de Diana" e "Os trabalhos e as noites" - dois trabalhos centrais em sua produção poética, marcos de uma virada e da instituição de uma dicção poética que a marcaria a partir de então.
Os livros saem em edições bem cuidadas, bilíngues, com textos introdutórios das poetas Ana Martins Marques e Marília Garcia e um posfácio do tradutor. Pelo site www.Relicarioedicoes.Com, a editora comercializa um box ilustrado por um desenho de Pizarnik, reunindo os dois volumes.

Livros

Os trabalhos e as noites
Alejandra Pizarnik

Tradução e posfácio: Davis Diniz
Relicário
2018, 132 páginas
R$ 39,90

Árvore de Diana
Alejandra Pizarnik

Tradução e posfácio: Davis Diniz
Relicário
2018, 108 páginas
R$ 39,90


Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Herança do governo golpista

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira