Edital 2017 da Secult contempla 16 mestres, 2 grupos e uma coletividade

Desde a divulgação do resultado preliminar do Edital "Tesouros Vivos da Cultura - 2017", em janeiro deste ano, que a expectativa dos pré-selecionados e daqueles que apresentaram recursos para a reavaliação de suas colocações cresceu. Somente agora em maio, quatro meses depois, a Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) apresentou o resultado final, homologado na última quarta-feira (9) pelo Conselho Estadual do Patrimônio (Coepa) e apresentado publicamente na sexta (11). Ao todo, foram contemplados 16 mestres (sendo 4 vagas de vacância por falecimento), 2 grupos e uma coletividade.
Os nomes foram apresentados pela comissão especial formada por Carlos Vinicius Frota de Albuquerque (Secult/Ce), Fernando José de Brito Piancó (Secult/Ce), Igor de Menezes Soares (Iphan/Ce), Francisco Agileu de Lima Gadelha (Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural / Universidade Estadual do Ceará) e Francisca Raimunda Nogueira Mendes (Universidade Federal do Ceará). A contemplação de representantes da gastronomia e da cultura afro foram os destaques dessa seleção.
De acordo com o coordenador de Patrimônio da Secult, Alênio Carlos, antes de iniciar a análise dos dossiês, a comissão teve acesso a um diagnóstico da secretaria. "Mostramos onde tem mais mestre, onde não tem; quais expressões já foram contempladas, quais não foram. A partir desse cenário e em diálogo com os dossiês, que são muito importantes, a comissão teve autonomia para decidir", explica.
A gastronomia, que até então não tinha nenhum mestre reconhecido, ganhou duas: Rita de Cássia, doceira de fartes (doce português feito com farinha de mandioca, castanha e gengibre) em Sobral, e Francisca Zenilda Soares Ferreira, representante da culinária regional com a fabricação artesanal de linguiça, em Assaré.
Já a cultura afro, que só tinha um diplomado, já falecido, o Mestre Juca de Balaio (maracatu), agora tem quatro: dois da capoeira, Paulo Sales Neto, o Paulão Ceará (atualmente residindo em Budapeste) e Zé Renato; um do maracatu, José Maria de Paula Almeida, e uma representante da medicina tradicional da Umbanda Brasileira, Zimá Ferreira da Silva.
Classificados
Entre os mestres contemplados, figuram ainda Hugo Pereira de Andrade, praticante da dança do coco em Aracati; José Felipe da Silva, músico de Chorinho, em Caucaia; Geraldo Amâncio Pereira, da cantoria de viola, em Fortaleza; Francisco Furtado Sobrinho, do Teatro de Mamulengo, no Trairi; João Paulo Vieira, do Reisado de Caretas, na Meruoca; José Alves Carneiro, mateiro em Pacoti; Pedro Bandeira Pereira de Caldas, da cantoria, repente e literatura de cordel, em Juazeiro do Norte; Jaime Arnaldo Rodrigues, do artesanato de mosaicos (ladrilhos hidráulicos), em Barbalha; e Antônio Rafael Sobrinho, poeta popular, em Tarrafas.
O time completava-se com Geraldo Gonçalves de Alencar, poeta popular de Assaré, primo de Patativa, que, infelizmente, faleceu na última sexta (11), aos 72 anos. Isso não implica, porém, na seleção de outro mestre por este edital. Somente o próximo edital poderá contemplar esta vaga em vacância.O secretário da Cultura Fabiano Piúba destacou que até junho de 2018 será lançado o novo Edital Tesouros Vivos, a fim de que o Ceará chegue ao número estipulado pelo Plano Estadual de 80 Mestres da Cultura, com a abertura de dez vagas.
O Maracatu Az de Ouro e o Reisado da Família Ramos, de Canindé, foram os contemplados na categoria grupo; e a Associação dos Artesãos da Mãe das Dores e do Padre Cícero, que realiza artesanato (trançado com fibras vegetais), em Juazeiro do Norte, foi classificada como coletividade. O coordenador de Patrimônio, Alênio Carlos, explica as diferenças entre as categorias. "Os mestres recebem um salário vitalício, os grupos recebem um valor único de premiação, que é R$7.980, e a coletividade ganha apenas a titulação de tesouro vivo, que os demais também ganham", afirma.
De acordo com dados da Coordenação de Patrimônio, desde a vigência da lei dos Tesouros Vivos, em 2003, já foram titulados, incluindo este edital 2017, 95 mestres, 11 grupos e duas coletividades. Dos 95, 70 mestres estão vivos e em atividade.
Processos
A partir da homologação e posterior publicação no Diário Oficial do Estado, os mestres da cultura, os grupos e a coletividade passam a contar com reconhecimento institucional, sendo reconhecidos como difusores de tradições, da história e da identidade, atuando no repasse de saberes e experiências às novas gerações.
Alênio adianta ainda que um projeto em parceria com a Secretaria de Educação, que prevê a atuação desses tesouros vivos nas escolas de tempo integral da rede estadual, já está em etapa de finalização. Foram propostas 16 disciplinas eletivas construídas a partir dessas expressões culturais e cada escola terá autonomia para selecionar a que melhor se encaixe na sua grade.
Vale lembrar que a titulação dos mestres e mestras junto à Universidade Estadual do Ceará valida esse tipo de atuação institucionalmente. "Acredito que essa vai ser uma grande revolução na educação, a inclusão da cultura popular. Nada impede que avancemos a metodologia para outras escolas", finaliza, otimista, o coordenador.

Tesouros vivos

Paulo Sales Neto
Capoeira | Fortaleza
Rita de Cássia da Cunha
Doceira (fartes) | Sobral
Hugo Pereira de Andrade
Dança do Coco | Aracati
Francisca Zenilda Soares
Culinária regional - fabricação artesanal de linguiça | Assaré
José Maria de Paula Almeida
Maracatu | Maracanaú
José Felipe da Silva
Música Chorinho | Caucaia
Geraldo Amâncio Pereira
Cantoria de Viola | Fortaleza
Francisco Furtado Sobrinho
Teatro de Mamulengo | Trairi
José Renato Vasconcelos
Capoeira | Fortaleza
João Paulo Vieira
Reisado de Caretas | Meruoca
Zimá Ferreira da Silva
Umbanda Brasileira - Medicina tradicional de Terreiro | Fortaleza
Geraldo Gonçalves de Alencar (in memorian)
Poeta Popular | Assaré
José Alves Carneiro
Mateiro | Pacoti
Pedro Bandeira Pereira
Cantoria, repente e literatura de cordel | Juazeiro do Norte
Jaime Arnaldo Rodrigues
Artesanato de Mosaicos (ladrilhos hidráulicos) | Barbalha
Antônio Rafael Sobrinho
Poeta Popular | Tarrafas
Grupo Maracatu Az de Ouro
Grupo Reisado da Família Ramos | Canindé
Associação dos Artesãos da Mãe das Dores e do Padre Cícero | Juazeiro do Norte
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

A Palavra Não

Dentro da rotina das redes sociais, mulheres dividem as dificuldades e os pontos positivos de expor a maternidade

LAMENTAÇÕES DE UM LÁPIS

Livros com temática de direitos humanos são vandalizados na UnB

Por Enem, governo adia início do horário de verão para 18 de novembro