Filme sobre o Papa Francisco é apresentado mundialmente em Cannes

filme win wenders"Queríamos que fosse um filme para todos os tipos de público, porque a mensagem do Papa é universal", diz o cineasta alemão

Foi mundialmente apresentado no Festival de Cannes o filme “Papa Francisco: um homem de palavra”, do cineasta alemão Wim Wenders. O filme não disputará a Palma de Ouro, mas terá uma sessão especial durante a mostra.
Wenders declarou durante a apresentação do longa:
“O Papa Francisco é o exemplo vivo de um homem que luta pelo que diz. Em nosso filme ele se dirige diretamente ao espectador, de modo sincero e espontâneo. Queríamos que fosse um filme para todos os tipos de público, porque a mensagem do Papa é universal”.

Um filme com o Papa

Dom Dario Edoardo Viganò, assessor da Secretaria de Comunicação da Santa Sé, deu início ao projeto junto com o cineasta alemão. Ele disse em entrevista à agência Sir:
“O filme que Wenders realizou sobre o Papa é uma experiência do falar de si, por parte do Papa, através de um tecedor capaz de reconstruir e entrelaçar a narração, e esta é a parte do diretor, de modo que surja a verdade e a profundidade do próprio ser”.
Para dom Viganò, a particularidade do filme, que contou com a colaboração do Vatican Media, é que não se trata de um documentário, mas sim de “um filme com o Papa”:
“O Papa Francisco é o protagonista da obra. Ele aceitou participar deste projeto com desejo de compartilhamento e de encontro com o próximo”.

Francisco visto de perto

O filme não tem um estilo narrativo e descritivo, sublinha dom Viganò, “como nas primeiras tomadas sobre Leão XIII em 1896, ou no filme sobre Pio XII de 1942, Pastor Angelicus, ou mesmo nos documentários audiovisuais dedicados a João XXIII”. Desta vez há um envolvimento direto: “Ele é o Papa da proximidade, do abraço inclusivo. Por isso participa como protagonista absoluto”.
Essa intenção se traduziu em “uma direção a serviço do encontro com o Pontífice, nunca invasiva ou dominante, mas sim discreta e poética. O Papa refletiu um bom tempo para avaliar o trabalho. Depois, aceitou de maneira convicta, consciente da grandiosidade comunicativa do projeto”.

Wenders, olhar poético

Recordando as obras-primas do cineasta, como “As Asas do Desejo”, com a particular presença dos anjos, e “Tão longe, tão perto”, no qual é citado o Evangelho de Mateus, dom Viganò recorda também a colaboração com o cineasta na cerimônia de abertura do Jubileu Extraordinário da Misericórdia no Vaticano. Com o Centro Televisivo Vaticano – hoje Vatican Media – “logo acreditamos no valor de um filme que falasse sobre o diálogo entre o Papa Francisco e a sociedade de hoje, com o encontro de homens e mulheres de todas as proveniências. O resultado foi uma experiência cinematográfica intensa, com encontro de pessoas de todas as fés, culturas, pertencentes a todas as classes sociais ou políticas”.
A trilha sonora de Laurent Petitgand é enriquecida pela voz narrativa de Wim Wenders e da cantora Patti Smith.

Aleteia

Comentários

Mais Visitadas

Principal nome da literatura feita para crianças no Ceará, Horácio Dídimo, morto em 2018, pode ser homenageado em Dia Estadual da Literatura Infantil

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Herança do governo golpista