Pular para o conteúdo principal

O BRASIL QUE EU NÃO QUERO



Grecianny Carvalho Cordeiro*
Aproveitando a campanha da TV Globo, sobre o Brasil que eu quero, permita-me falar sobre o Brasil que eu NÃO quero.
O Brasil que eu NÃO quero...
Possui estradas esburacadas e mal sinalizadas a dificultarem o tráfego de veículos, apesar de serem feitas por empreiteiras a cobrarem um preço absurdo, via de regra, mediante superfaturamento do orçamento e, geralmente, possui uma durabilidade que não resiste a uma chuva.
Possui um sistema de saúde que funciona de forma precária, com poucos profissionais, com postos de saúde e hospitais em péssimo estado de conservação, sendo constante a interrupção de fornecimento de medicamentos e de material adequado, enquanto a fila de doentes em busca de ajuda aumenta a cada dia.
Possui um sistema educacional que menospreza o professor, oferecendo-lhe um salário indigno para a relevância de sua profissão, além do que, subestima o aluno, incentivando-o a frequentar a escola em troca de uma merenda, forçando a comunidade escolar a estimular o comparecimento do aluno, mesmo que não estude e que não aprenda, apenas para garantir a verba que lhe é destinada.
Possui um sistema de justiça que não ressocializa, a criar um fosso entre o criminoso pobre e o criminoso rico, este, sempre com direito a diversas regalias, jamais usufruídas por aquele.
Possui um sistema político que favorece a troca de favores, a barganha, o balcão de negócios no Executivo e no Legislativo, tudo para beneficiar os políticos e seus amigos, em detrimento do povo, do interesse público, do país.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, oceano e texto
Possui uma carga tributária injusta e afrontosa, que massacra o cidadão, fazendo com que pague muito caro para nada ter em troca, sendo sua finalidade desviada para o ralo da corrupção.
Possui riquezas naturais e minerais de fazer inveja ao mais rico país do mundo, ainda assim, não são bem aproveitadas e, quando exploradas, não atendem ao interesse público, mas a um pequeno grupo, fazendo com que paguemos a energia mais cara, o combustível mais caro.
Possui leis ineficazes e injustas, muitas delas negociadas como um produto de feira, feitas por quem não tem a menor noção de sua imensa responsabilidade, muitos deles processados por práticas criminosas variadas.
O Brasil que eu NÃO quero é exatamente tudo o que ele é hoje, graças à incompetência e à falta de compromisso dos gestores públicos, capazes de surrupiar descaradamente os cofres públicos.
Talvez um dia, tenhamos o Brasil que queremos.


*Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …