Pular para o conteúdo principal

O saber na periferia do conhecimento

Carlos Delano Rebouças*


A imagem pode conter: Carlos Delano Rebouças, close-up
Muitos são os interesses estabelecidos pelas pessoas no mundo, hoje, decorrentes de uma evolução humana, pelas necessidades e vontades, identificadas e apontadas, respectivamente, que se baseia numa filosofia estritamente consumista, reforçada por um sistema, que insiste em manipular os rumos da humanidade.

O homem em grande parte do planeta, especialmente em continentes e países que apresentam um determinado distanciamento de ricos valores culturais, sem também a devida valorização da educação, vem progressivamente demonstrando uma postura que leva a construção da imagem de um ser, a qual enxerga em tudo uma preciosidade maior que o conhecimento. E no Brasil, grande parte de seu povo é assim.

Em nosso país, o Hino Nacional é cantado de forma errada e mesmo assim, explicações são apresentadas, estapafúrdias, desconexas, mas sem justificativa convincente, e ainda engrossamos um coro de risadas, rindo de nós mesmos, tornamo-nos protagonistas de uma tragicomédia comum da nossa cultura. Em contrapartida, cantam-se hinos de clubes de futebol e músicas diversas e populares, sem erro algum, pois de que vale e interessa saber a letra e até a autoria do nosso hino maior, se Copa do Mundo representa um evento que só acontece a cada quatro anos?

Precisa-se entender que num passado não tão distante, tivemos disciplinas no currículo da educação básica brasileira que nos levavam a valorizar as artes, a cultura, o conhecimento e o saber, mas para estas disciplinas, o interesse foi perdido, devido ao surgimento de interesses particulares e bem diferentes dos interesses sociais, ficando somente na lembrança dos mais saudosistas.

Ainda falando sobre a cultura do povo brasileiro, sobre seus saberes e conhecimentos, e sua sensibilidade diante da necessidade de se ter conhecimento e sabedoria, vemos jovens, estes mesmos em que nas canções de tantos grandes nomes da música popular brasileira, e que políticos também usam na elaboração de seus discursos políticos, inflamados, para a conquista de suas simpatias, com o rótulo de o futuro da nação e do planeta, cometendo absurdos, repugnados por uma sociedade menos alienada.

Depredam, por exemplo, monumentos culturais e religiosos, nutridos de ódio e rebeldia, como também, pela ignorância, intolerância e fanatismo, sob uma argumentação nada aceitável e plausível. Sustentam-se numa tese, que parece ter sido construída no ápice da insanidade humana.

Já imaginaram ver uma notícia de que um jovem cidadão italiano, por exemplo, dizendo-se protestante, invade uma basílica em Roma e passa a destruir imagens sacras, obras fiéis da escola barroca? Difícil de acreditar não é? Sim, principalmente quando se acredita tratar-se de um povo muito mais evoluído culturalmente, bem distante da cultura de tantos outros povos, dentre eles, o brasileiro.

O saber, o conhecimento, precisa urgentemente migrar para o centro dos interesses. Que a sua permanência na zona periférica seja logo repensada pela humanidade, em especial, pelo povo brasileiro, a fim de que não retrocedamos na nossa evolução, em passadas largas a caminho de um verdadeiro e indigesto colapso social.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08