Os filmes em disputa pela Palma de Ouro em Cannes

Confira os 18 filmes que irão disputar o festival entre os dias 8 e 19 de maio.

O diretor Thierry Fremaux e o presidente do Festival de Cannes, Pierre Lescure, durante coletiva de imprensa em Paris, na França, em 12 de abril de 2018.
O diretor Thierry Fremaux e o presidente do Festival de Cannes, Pierre Lescure, durante coletiva de imprensa em Paris, na França, em 12 de abril de 2018. (AFP)

Seguem abaixo os 18 filmes que irão disputar a Palma de Ouro do Festival de Cannes, entre os dias 8 e 19 de maio:
Filme de abertura:
- "Todos lo saben", do iraniano Asghar Farhadi: com Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín. Suspense psicológico em espanhol. Uma mulher e seus filhos viajam de Buenos Aires, onde vivem, para seu povoado natal na Espanha por ocasião de uma reunião familiar.
- "En guerre", do francês Stéphane Brizé: filme social, com Vincent Lindon. Acompanha a luta de funcionários dispostos a tudo para salvar seu emprego e a fábrica que vai à falência.
- "Dogman", do italiano Matteo Garrone: sobre um cabeleireiro de cachorros que torturou e assassinou em 1988 um ex-boxeador convertido em chefe de uma gangue. É a quarta produção de Garrone em disputa.
- "Le Livre d'image", do franco-suíço Jean-Luc Godard: filme em cinco partes temáticas, que viria a ser uma reflexão sobre o mundo árabe por meio de imagens documentais e de ficção. Godard, lenda do cinema francês, participará da competição pela sétima vez.
- "Netemo Sametemo" (Asako I & II), do japonês Ryusuke Hamaguchi: a história de Asako, uma jovem que se apaixona por um homem que desaparece. Dois anos depois, conhece outro que é sua "cópia", mas com uma personalidade completamente diferente. O diretor foi premiado no Festival de Locarno em 2015 com "Happy hour".
- "Plaire, aimer et courir vite", do francês Christophe Honoré: sobre a relação amorosa entre um jovem estudante e um escritor nos anos 1990, com Vincent Lacoste e Pierre Deladonchamps. Honoré disputou em 2007 com "As canções de amor".
- "Les filles du soleil", da francesa Eva Husson: com Golshifteh Farahani e Emmanuelle Bercot. Segundo longa-metragem da diretora depois de "Bang Gang". A história de um batalhão de mulheres soldados curdas no qual uma jornalista conhece a comandante do grupo.
- "Ash is purest white", do chinês Jia Zhangke: uma história de amor entre uma bailarina e um gangster. Jia, cinco vezes na competição, participou da última vez em 2015 com "As montanhas se separam".
- "Shoplifters", do japonês Hirokazu Kore-Eda. A história de uma família de ladrões que adota uma menina órfã. Quinto filme do cineasta em competição.
- "Capharnaüm", da libanesa Nadine Labaki: a história de um menino que se rebela contra a vida que querem impor a ele. Pela diretora de "Caramelo".
- "Buh-Ning", do sul-coreano Lee Chang-Dong: suspense em que um dos protagonistas assegura que é um piromaníaco. Adaptado de um relato do escritor japonês Haruki Murakami. Terceiro filme do cineasta em disputa.
- "BlacKKKlansman", do americano Spike Lee: baseado na história real de um policial afro-americano infiltrado no Ku Klux Klan, com Adam Driver e John David Washington. Adaptado do livro "Black Klansman", de Ron Stallworth.
- "Under the silver lake", do americano David Robert Mitchell: suspense com Andrew Garfield e Riley Keough. Sam é um homem de 30 anos de Los Angeles que investiga o desaparecimento de sua vizinha, por quem é apaixonado. Trata-se do terceiro longa-metragem do diretor. Pelo cineasta do filme de terror "Corrente do mal".
- "Three Faces", do iraniano Jafar Panahi: três retratos de mulheres no Irã moderno, pelo cineasta iraniano dissidente que está proibido de trabalhar no seu país. Foi premiado em 2015 com o Urso de Ouro da Berlinale por "Táxi Teerã".
- "Zimna Wojna", do polonês Pawel Pawlikowski: novo filme do diretor polonês de "Ida", vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2015. Uma relação amorosa complicada entre uma mulher e dois homens na Polônia nos anos 1950 e 1960.
- "Lazzaro Felice", da italiana Alice Rohrwacher: a história de um homem nascido em um casebre afastado do mundo moderno, um conto poético para abordar as transformações na sociedade italiana. Rohrwacher obteve o Grande Prêmio em 2014 por "As maravilhas".
- "Leto", do russo Kirill Serebrennikov: baseado na vida da estrela soviética do rock Viktor Tsoi. Serebrennikov, muito crítico com o presidente Vladimir Putin, se encontra em prisão domiciliar por um suposto caso de desvio de dinheiro público.
- "Yomeddine", do egípcio Abu Bakr Shawky: obra-prima tragicômica na qual dois homens fogem de um grupo de leprosos.

AFP

Comentários

Mais Visitadas

MEU PROFESSOR: MEU SUPER-HERÓI

Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

Dentro da rotina das redes sociais, mulheres dividem as dificuldades e os pontos positivos de expor a maternidade

A Palavra Não