Pular para o conteúdo principal

Podem testar

Uma proposta talvez boa.

pixabay
Uma porção de joguinhos poéticos com os quais tenho a pretensão de ganhar dos leitores desta sexta-feira pelo menos um sorriso.
+++
PLUS
Entre o amor e a fé,
Escolha a fé.
O amor não remove montanhas.

BRASÃO DO MIOJO
Libertas quae sera lámen.

ROTINA
Verá quem viver:
nem os vitalícios
escapam ao vício
de morrer.

GRAMÁTICO
O tico-tico pudico
apaga no muro com o bico
raspadinha após raspadinha
o acento no ú
da infame palavrinha.

NADA A VER
Morrer cedo
não faz de ninguém
um álvares de azevedo.

AGORA VAI
Decidiu ser poeta
e já tem as matérias-primas:
um coração pateta
e um dicionário de rimas.

METROS FINAIS
Do jeito que vai
logo não aguentarei
nem o peso de um haicai.

AH…
Precisei ler três vezes
sem entender o que lia
para compreender –
era uma algaravia.

ANTIFAÇANHA
Minha última falha
foi tentar – e não conseguir –
mover uma palha.

APARÊNCIA
Pode não ser
mas tem sempre certo ar obsceno
um substantivo epiceno.

A VERDADE
A idade
não traz sabedoria –
só longevidade.

CULPA
O que incomodava um pouco
alguns poetas parnasianos
era não conseguirem esconder
em certos versos o calor humano.

SEMANA DE 22
Como primeiro passo
para a modernidade
todos resolveram chamar-se andrade.

BALANÇO
Escrevi o mais que pude,
Sem jamais esmorecer.
Haveria mais virtude
Em abster-me de escrever.

Fonte: Estadão Conteúdo

Comentários

Mais Visitadas

LAMENTAÇÕES DE UM LÁPIS

MEU PROFESSOR: MEU SUPER-HERÓI

Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

A Palavra Não