Prêmio Ceará Encena homenageia destaques do Teatro Cearense

Aderbal Freire Filho,diretor teatral, ator e apresentador de televisão, será um dos homenageados (Foto: Divulgação)
O grupo Arte de Viver apresenta nesta quarta-feira, 23,"O Grande Encontro do Teatro Cearense". Trata-se da 4ª edição do Prêmio Ceará Encena, criado pela própria companhia em 2015. A premiação, que comemora os dezoito anos de trajetória do grupo, destaca e homenageia artistas cearenses de todo o Estado.
 
Nesta edição, os artistas escolhidos pela comissão julgadora do prêmio, disputarão em três categorias. A primeira delas é a de formação, destinada a reconhecer trabalhos que integram montagens, espetáculos ou performances teatrais cearenses, apresentadas na conclusão de curso técnico, profissionalizante e/ou superior, voltadas ao grande público. Esta categoria é composta por cinco subcategorias de premiação: ator, atriz,autor/texto, direção e espetáculo.  
 
A segunda é a categoria principal, composta por quinze subcategorias, como revelação masculina, feminina, ator, atriz, ator coadjuvante, atriz coadjuvante, iluminação, som/trilha, cenário, figurino/composição, autor/texto, direção, produção, espetáculo infantil e espetáculo adulto. Para concorrer, os artistas desta esfera precisam integrar algum espetáculo teatral cearense que não tenha sido apresentado como conclusão de curso/oficina ou concorrido em anos anteriores, mas que, também, sejam voltados ao grande público.
 
Além destas categorias, a solenidade irá homenagear os artistas Aderbal Freire Filho, Jane Azeredo, Marcus Fernandes e Oswald Barroso. Eles fazem parte da última categoria, a especial. Os selecionados neste âmbito receberão o troféu Arte de Viver como reconhecimento por seus trabalhos e importância na construção e manutenção da cena teatral no Ceará.
 
A banca julgadora do evento avaliou 45 espetáculos, entre formação e principal, voltados tanto para crianças, quanto adultos e o público em geral. O Prêmio Ceará Encena é comenda de abrangência estadual que visa reconhecer publicamente aqueles que se destacaram em suas mais variadas funções na cena teatral cearense, dentro e fora dos palcos.
 
Conheça os homenageados 
Aderbal Freire Filho 
É fortalezense, diretor teatral, ator e apresentador de televisão. Fundador do Grêmio Dramático Brasileiro, 1973, e do Centro de Demolição e Construção do Espetáculo (CDCE), 1989. Já dirigiu a versão brasileira de clássicos, como "Hamlet e Macbeth", de Shakespeare, e "Moby Dick", de Herman Melville. Na televisão, em 2014, atuou na série Dupla Identidade, na Tv Globo, e apresentou, até o início de 2017, o programa "Arte do Artista " na Tv Brasil.
 
Jane Azeredo
Jane não é cearense, mas chegou a Fortaleza ainda na década de 1960. Iniciou nas artes cênicas ainda adolescente. Ao interpretar a peça Lucíola, adaptação da obra de José de Alencar, na extinta TV Ceará Canal 2, foi acusada de dançar nua na televisão, um verdadeiro escândalo para a época. Após a polêmica na televisão, participou de filmes como "Milagre em Juazeiro", de Wolney Oliveira, "O Quinze", de Jurandir de Oliveira, e "Eu não conhecia Tururu", de Florinda Bolkan, entre outros.  Ela também atuou em peças infantis, dentre elas, "Revolta dos animais" em que contracenou com Ary Sherlock e Emiliano Queiroz. Em 2012, como comemoração aos seus 52 anos de carreira, Jane Azeredo apresentou no Theatro José de Alencar, o monólogo “Faces de uma atriz”.
 
Marcus Fernandes
Escritor ,poliglota,pianista, locutor de rádio, revisor de jornais e ator. São adjetivos que complementam o perfil de Marcus Fernandes. Ele é produtor de textos teatrais e lançou, em 2015, o livro “Vinte e dois pontos de Severino”, no Náutico Atlético Cearense.  O pairaibano que reside em Fortaleza há 60 anos, já atuou na novela ‘Final Feliz’,da rede Globo, gravada no Ceará, em 1982.
 
Oswald Barroso
É escritor, poeta, jornalista e teatrólogo. Cearense nascido na Capital, tem vinte e cinco publicações dentre as quais se destacam os livros: Almanaque Poético de uma Cidade do Interior (1982), Reis de Congo - Teatro Popular Tradicional (1997), Memória do Caminho (2006), Dormir Talvez Sonhar (2007) e Entre Ritos, Risos e Batalhas (2011). E os textos para teatro, como “A Irmandade da Santa Cruz do Deserto”(1987), “A Farsa do Diabo que queria ser gente” (2011), dentre outros. Já foi diretor do Theatro José de Alencar e do Museu da Imagem e do Som e recebeu, em 1996, o Prêmio Estímulos à Dramaturgia – FUNART.
 
Serviço
4ª Edição do Prêmio Ceará Encena
Quando: 23 de maio as 19h30min
Onde: Theatro José de Alencar (Rua Liberato Barroso, 525 - Centro, Fortaleza/Ce)
Aberto ao público
Telefone: 3101-2583
 
INGRID THAIS
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

LAMENTAÇÕES DE UM LÁPIS

MEU PROFESSOR: MEU SUPER-HERÓI

Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

A Palavra Não