Romper com o comodismo

Padre Geovane Saraiva*
A salvação é presente de Deus, em Nosso Senhor Jesus Cristo, com a realização de todas as esperanças humanas. É a alegre gratidão de se experimentar a Páscoa do Senhor, tendo como eixo o amor infinito de Deus, conforme o Papa Francisco na sua recente exortação apostólica, "Gaudete et Exsultate", sobre o chamado à santidade no mundo atual. O Papa não deixa dúvida: “A santidade é o rosto mais belo da Igreja, o chamado à santidade, que o Senhor faz a cada um de nós, o chamado que dirige também a ti: 'sede pois santos, porque eu sou santo'" (Lv 11, 45; 1 Pd 1, 16). Nosso Deus é solidário e próximo do seu povo. Ele quer entrar na vida daqueles que abraçam o mandamento maior, que buscam respeito, acolhida e compreensão solidária.

O Papa vem ao nosso encontro, pelo sugestivo convite no referido documento, desejando “fazer ressoar mais uma vez o chamado à santidade, procurando encarná-la no contexto atual, com riscos, desafios e oportunidades (...) para sermos santos e íntegros diante dele, no amor” (Ef 1, 4). No chamado à santidade está a essência de Deus, em Jesus, que vem ao nosso encontro e quer nossa participação. E, de acordo com o Santo Padre, quer que permaneçamos unidos a Ele, assegurando-nos ser o Senhor da vida e da História, revelando-se na vida oculta, na vida comunitária, na proximidade aos últimos, na pobreza e em outras manifestações da sua doação por amor.

A santidade entendida como dom, dentro do projeto de Deus, significa abraçar a missão e romper com o comodismo, na busca de novos caminhos, vencendo obstáculos, ultrapassando barreiras. É acolher o convite feito pelo próprio Deus: o de dar continuidade à sua missão, obediente à sua irrecusável voz e indescritível mistério de amor. Amor este, à luz da esperança cristã, que não é sinônimo de ilusão, mas que revela ideia de justiça e vida para todos, na vinda definitiva de Deus, convencendo-nos da plenitude do homem e do mundo, quando, pela assertiva de Dom Helder, “entregamo-nos, de verdade, nas mãos do Senhor, o grande silêncio nos mergulha na paz, na confiança, na alegria”.

Deus é amor, causa e razão de nosso viver, na alegre confiança de quem o descobriu, o reconheceu e o acolheu como tesouro mais precioso, capaz de satisfazer a existência humana. Que nossa resposta ao mistério da revelação de Deus na História, vindo ao mundo por meio de Maria, uma mulher simples, humilde e pobre, nos ensine a verdadeira alegria, na doação generosa e no oferecimento da própria vida. Amém!

*Padre, Jornalista, Colunista e Pároco de Santo Afonso, Parquelândia, Fortaleza-CE. Da Academia Metropolitana de Letras de Fortalezageovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O STF é uma vergonha

Dom Aloísio em nossos corações

Papa Francisco sobre os direitos humanos: todos têm o direito de ser felizes

Além das aparências

Aluno cearense que criou app para conservação de açude recebe Prêmio Jovem Cientista