Pular para o conteúdo principal

"Shoplifters", do japonês Hirokazu Kore-eda, foi o vencedor em Cannes deste ano

por Luiz Carlos Merten - Agência Estado

"Shoplifters", do japonês Hirokazu Kore-eda, foi o vencedor em Cannes deste ano. É sua primeira Palma, embora seja habitué do festival
Thierry Frémaux e Pierre Lescure estão tendo de administrar uma crise, e das grandes. Para muita gente, é a própria sobrevivência do Festival de Cannes que está em jogo. A imprensa francesa reagiu mal à premiação do júri presidido pela atriz Cate Blanchett - nenhum filme francês no Palmarès.
OK, teve Jean-Luc Godard, mas ele não conta. O mais incrível - Godard vai estrear na TV, não nos cinemas. As mais duras críticas vêm dos EUA. The Hollywood Reporter, mais até que a rival Variety, decretou que o festival está decadente.
Poucos astros e estrelas, excessiva proximidade do Oscar. Cannes é considerada uma plataforma de filmes de arte. Quem vai querer lançar seus filmes de Oscar em maio, quando os blockbuster do verão ocupam as salas e fazem todo o ruído? As majors estão achando que vale mais esperar por Toronto e Veneza, no segundo semestre. O clima é de quebra de braço. Quem vai ganhar? O festival é caro. Hospedagem, alimentação. The Hollywood Repórter reclama, mas, no mercado, a maior representação é dos EUA. São milhares de agentes, comprando e vendendo no maior mercado do mundo.
E a Palma de Ouro mantém seu prestígio. É um dos prêmios mais disputados do mundo. O japonês Hirokazu Kore-eda tem sido um habitué do festival. Colecionou prêmios. Mas foi preciso esperar Cate Blanchett para ter a sua Palma, por "Shoplifters". Um grupo, sem vínculo de sangue, que se reúne para roubar lojas. "Valeu a pena ter esperado", resumiu.
Outros dois filmes premiados pelo júri abordam questões familiares - "Capharnaüm", da libanesa Nadine Labaki, e "Ayka", do cineasta do Casaquistão Sergey Dvortsevoy, que deu o prêmio de interpretação para Samal Yeslyamova. Marido de Nadine, o compositor Klaled Mouzanar também é produtor. Ao receber o prêmio do júri ecumênico, em nome da mulher, disse que o filme foi uma "changing life experience" para o casal.
E Nadine, agradecendo o prêmio especial do júri - "É um prêmio enorme para um filme pequeno, que fiz em casa, com a minha família. Mas só vou ficar feliz se o filme ajudar a mudar as condições de vida da infância abandonada. Não podemos continuar ignorando o problema".
Dvortsevoy talvez tenha feito o filme mais aterrorizante do festival. Uma mulher que acaba de dar à luz abandona o filho no hospital e corre em busca de emprego numa Moscou gelada. Tem de saldar uma dívida. Ela sangra, o leite empedra nos seios. O diretor aborda a condição biológica da mulher para chegar à denúncia do mundo regido pelos homens. "Foi dificílimo de fazer, mas quando pensava que mulheres passam por isso de verdade. Que mundo é esse?", perguntou-se a atriz.
Que mundo, sim. Spike Lee quer lançar "BlacKkKlansman" em agosto nos EUA, quando se comemora um ano dos confrontos entre supremacistas e negros em Charlottesville. Seu filme é sobre isso. Não ganhou a Palma, mas o Grand Prix. "Vai ser um ano para se viver perigosamente na América", anuncia Spike.
No palco para entregar prêmio, Asia Argento lembrou que tinha 21 anos quando foi estuprada por Harvey Weinstein em Cannes. "Para canalhas como ele, isso aqui sempre foi uma temporada de caça", afirmou.
O festival abriu uma linha para mulheres denunciarem abusos. Asia botou a boca no mundo. No ano de Cate, as mulheres reinaram, mas a Palma foi masculina. Teria sido mais merecida se tivesse vencido o turco Nuri Bilge Ceylan, cineasta do tempo, por "A Pereira dos Frutos Selvagens".

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…