Biografia reconstitui a rica trajetória política e intelectual de Parsifal Barroso, ex-governador do Ceará e autor de "O Cearense"


Parsifal
Parsifal Barroso: livro reconstitui trajetória intelectual e política do ex-governador
De dez a 15 linhas nos livros de História era o que Luís-Sérgio Santos costumava encontrar sobre o governo de Parsifal Barroso (1958-1962) no Ceará. Sua gestão havia acontecido entre a de Paulo Sarasate e a de Virgílio Távora. A apresentação escassa e superficial das informações relativas àquele período passou a inquietar o jornalista, que resolveu então expandir a memória do personagem em uma biografia de mais de 400 páginas a ser lançada pelo Instituto Myra Eliane, nesta terça-feira (5), às 19h, na Livraria Cultura. Na ocasião, o jornalista Egídio Serpa mediará um bate-papo com o autor do livro e o neto do biografado, o empresário Igor Queiroz Barroso, presidente do Instituto Myra Eliane e Diretor Institucional do Grupo Edson Queiroz.
"O que prevalecia em Parsifal era de fato a conciliação, a costura, o apaziguamento, a ponderação, a argumentação. Mas ele era um estrategista. Grande orador, tinha o dom da retórica, dominava a cena, seguro, com uma voz mansa. Ouvi os áudios dele. Busquei conhecer a voz dele, o timbre, como enfatizava ou amenizava as palavras", conta o jornalista, destacando a força do personagem e seu método de imersão na personalidade do biografado.
A pesquisa de Luís-Sérgio começou durante a produção do seu último livro "Intimorata - A saga do jornal O Estado, de José Martins Rodrigues a Venelouis Xavier Pereira", que conta a história do jornal cearense desde sua criação, em 1936, até hoje. "Nas pesquisas para esse outro projeto, descobri que Parsifal tinha o jornal O Estado como aliado, parceiro, porta-voz durante seu governo. A partir daí, interessei-me pela figura dele e fui aprofundar-me para ter mais embasamento sobre esse período", revela.
No processo de finalização daquela obra, lançada em outubro passado, o jornalista percebeu que tinha ainda bastante material em mãos sobre uma figura importante de nossa história política, mas cuja trajetória ainda havia sido pouco explorada pelos pesquisadores. "Busquei a família do Parsifal para conversar mais sobre ele, e tive total apoio", conta Luís-Sérgio. "A pesquisa já estava bem adiantada quando encontrei com o Igor Queiroz Barroso, neto do Parsifal, que cuida do resgate da memória dos avós. Ele ficou empolgado e incorporou a obra ao Instituto Myra Eliane", contextualiza o jornalista.

Ministério
Criado em 2016, o Instituto lançou, no ano passado, uma nova edição do livro "O Cearense", clássico ensaio de Parsifal, e a biografia de Olga Barroso, escrita por Juarez Leitão. Com "Parsifal: um intelectual na política", dá-se mais uma contribuição para a memória do Estado a partir da história de suas personalidades.
Dividida em 11 capítulos, a nova obra conta também com uma coleção de fotos históricas. A orelha foi escrita por outro ex-governador do Ceará, o médico e bibliófilo Lúcio Alcântara. "Foi mestre a vida inteira, dentro ou fora das salas de aula, inclusive exercendo o magistério durante sua passagem pelo cargo de governador do Ceará. Este é, portanto, um aspecto marcante de sua vida: Parsifal, o intelectual", descreve Lúcio.
Sem adotar uma narrativa cronológica estrita, a biografia escrita por Luís-Sérgio destaca Parsifal logo de início como "o segundo ministro mais influente no governo de Juscelino Kubitschek" (depois de José Maria Alckmin, à frente do Ministério da Fazenda). O cearense comandou o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio entre 1956 e 1958. A relação que ele mantinha com a Igreja Católica foi decisiva para esta nomeação, sendo recomendado à época por três cardeais do País.
A frente do ministério, o político enfrentou um cenário turbulento, num período em que os sindicatos eram fortes o suficiente para parar o País. "Eu me modifiquei muito sendo Ministro do Trabalho. Pude entender melhor as reivindicações sindicais e as reivindicações de caráter social. Pude fazer distinção entre ambas e atender mais as sociais do que as sindicais", avaliou Parsifal, em uma entrevista citada em sua biografia.
Nos capítulos que seguem, Luís-Sérgio Santos escreve sobre a surpreendente vitória de Parsifal Barroso sobre Virgílio Távora na eleição para governador do Ceará em 1958; a articulação política comandada por Parsifal para eleger nas eleições seguintes seu sucessor, o coronel Virgílio Távora, a quem havia derrotado quatro anos antes; a obra intelectual do biografado, com foco em três livros que publicou: "O Cearense", "Uma História da Política e do Ceará" e "Vivências Políticas"; e sua história pessoal e familiar.
Construção
Como autor da biografia, Luís-Sérgio Santos admite que ficou à margem da narrativa por uma opção pessoal e também profissional. "Eventualmente me dou ao luxo de fazer um comentário, mas muito discreto. O que deve prevalecer é o resgate da memória do biografado, por isso o livro tem muitas fontes para dar segurança à narrativa", conta.
No livro, Parsifal é muitas vezes o próprio narrador, já que um dos fios condutores da narrativa é uma extensa entrevista que ele concedeu à socióloga Teresa Haguette, já falecida. Familiares também dão uma extensa contribuição. A checagem de fatos em jornais e documentos oficiais foi outra estratégia básica da apuração do autor.
Contribuições
Já que pouco se falou de Parsifal nos livros de História, quase tudo que se apresenta em sua biografia é novidade. Professor, deputado estadual, deputado federal, senador, governador e ministro de Estado foram algumas das atividades as quais ele se dedicou em vida. Como governador, ele criou o Banco de Desenvolvimento Econômico do Ceará Bandece) e conseguiu autorização do Banco Central para a instalação do Banco do Estado do Ceará (BEC).
Foi Parsifal também que trouxe a energia elétrica para o sul cearense; comprou o terreno e contratou o projeto e as estruturas metálicas para a construção do Palácio da Abolição; criou a Secretaria de Saúde do Estado do Ceará e aglutinou faculdades no que seria o início da Universidade Estadual do Ceará.
"Portanto, citá-lo nos livros de História como gestor de um governo de crises e que rompeu com Carlos Jereissati é mais que uma subtração dos fatos, uma indigência historiográfica", defende Luís-Sérgio na nota prévia da biografia.
"Torço pra que este livro seja instigante para a pesquisa acadêmica da universidade e estimule novos olhares. A biografia não encerra o olhar, pelo contrário, inicia. Conhecer nossa história é muito importante", finaliza o biógrafo.

Livro
Parsifal: Um intelectual na política
Luís-Sérgio Santos
Escrituras
2018, 463 páginas
R$ 69,90

Mais informações:
Lançamento da biografia "Parsifal: um intelectual na política", de Luís-Sérgio Santos. Terça-feira (5), a partir das 19h, na Livraria Cultura (Av. Dom Luís, 1010, Loja 8, Aldeota). Contato: (85) 4008.0800

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado