Carta de Cristóvão Colombo é devolvida ao Vaticano

Documento endereçado a reis católicos "sumiu" dos arquivos vaticanos e foi parar nas mãos de um colecionador

Christopher Columbus
A embaixadora dos Estados Unidos junto à Santa Sé, Callista Gingrich, devolveu ao Vaticano uma cópia original da carta escrita por Cristóvão Colombo quando ele retornou de sua primeira viagem à América.
O documento substituiu a cópia falsa que o Vaticano mantinha desde 1921. O texto original passou por várias mãos até chegar a uma família de colecionadores de Atlanta, que decidiu entregá-la à Santa Sé.
A carta escrita em 1493 foi endereçada aos reis católicos. Nela, Colombo contava suas descobertas na América e solicitava fundos para suas viagens seguintes. Depois de um tempo, a carta, que estava redigida em espanhol, foi traduzida ao latim e ao italiano.
Uma cópia da carta chegou ao Vaticano em 1921 como parte de uma coleção. Em 2011, o Departamento de Segurança dos Estados Unidos recebeu um telefonema de um especialista em livros raros e manuscritos que indicava que a missiva guardada nos arquivos da Santa Sé poderia ser falsa.
Foi feita uma investigação e descobriu-se que a cópia original estava nas mãos do americano Robert Parsons, que a comprou de um vendedor de livros raros em 2004. Parsons não sabia que a carta era roubada.
Em dezembro de 2013, Parsons fez com que um especialista analisasse a carta e concluiu-se que era uma cópia original. Em junho de 2016, outro especialista explicou que a cópia original foi vendida por Massimo De Caro, um conhecido ladrão italiano que atualmente cumpre pena de sete anos de prisão por roubar cerca de 4 mil livros antigos de bibliotecas públicas e privadas na Itália.
O Sr. Parsons faleceu e a viúva revisou as provas que demonstravam que a carta tinha sido roubada, por isso decidiu restitui-la ao Vaticano.
A cerimônia de devolução do documento aconteceu no dia 14 de junho de 2018.

Com informações de ACI Digital 

Comentários

Mais Visitadas

Reitoria da UECE apoia manifestações em defesa da educação brasileira e das universidades públicas

Morre atriz Doris Day, a namoradinha da América

Maureen Bisilliat se reencontra com o seu sertão e o de Euclides da Cunha na Flip

Paraty e Ilha Grande vão se tornar patrimônio da humanidade

Biblioteca Itinerante visita escolas e CMEIs com “Literatura e Cinema”