Coletânea reúne ensaios sobre poesia cearense

Image-0-Artigo-2409623-1
Antonio Girão Barroso, um dos seis representantes da poesia cearense moderna e contemporânea, analisados em livro de Carlos Augusto Viana ( FOTO: CID BARBOSA )
Poeta e ensaísta, Carlos Augusto Viana é conhecido no meio literário cearense pelo olhar atento aos escritores da terra. Em textos na imprensa, em livros, palestras e apresentações de autor, já deu mostras de sua porção crítico literário. E é, como crítico, que ele figura em seu livro mais recente. "A Literatura Cearense Através de Ensaios" será lançado nesta quarta-feira, 6, às 19 horas, no Ideal Clube.
O livro é o primeiro volume de uma série que Carlos Augusto Viana promete publicar. São seis ensaios dedicados à poesia. "O estudo percorre as vozes de Antônio Girão Barroso; Filgueiras Lima; José Valdivino de Carvalho; e Gerardo Mello Mourão - estes compondo o bloco dos artistas que, ora mortos, foram eternizados pela invenção de seus respectivos discursos; por fim, as escrituras poéticas de dois artistas vivos: Adriano Espínola e o Príncipe dos Poetas Cearenses, Linhares Filho - o que, de certa forma, oferece circularidade ao trabalho, uma vez que, na abertura e no dois poetas gigantes dão-se as mãos", descreve o autor, no texto de introdução à coleção de ensaios.
Entre os livros que publicou, Carlos Augusto Viana já havia feito uma incursão anterior pelo ensaísmo, tendo a poesia por objeto. "Drummond: a insone arquitetura" era dedicado a um dos grandes nomes da poesia brasileira do século XX.
Escrita
Poetisa, ensaísta e psicanalista, Nadiá Paulo Ferreira assina a orelha do livro. Para ela, o leitor vai encontrar "um artista que descortina janelas". Professora titular de Literatura Portuguesa da UERJ, ela elogia a escritura "límpida, bem urdida, demonstrando não apenas um sólido arcabouço teórico, mas a extrema capacidade de mergulhar na atmosfera dos textos, iluminando o que, até então, encontrava-se sob a crosta do inefável".
O autor parte o método interpretativo. Na apresentação, Carlos Augusto Viana detalha, de forma breve e precisa, suas ferramentas teórias. Os seis ensaios de seu novo livro põem "em relevo aspectos singulares a cada um desses escritores, quer em relação a traços estilísticos, quer em termos da escolha temática; contamos, ainda, nessa empreitada, com o auxílio da Estilística, da Simbologia, da Teoria da Literatura, além de um número representativo de teóricos, cujas reflexões recaem sobre o fenômeno do poético ou sobre as diversas problemáticas que envolvem as questões ligadas à criação artística".
O livro, apesar da forma fragmentária inerente ao ensaio, não é mera reunião de escritos avulsos. O autor os enlaça e, em seu conjunto, formam uma obra coesa, como se pode ver pela opção do crítico de escrever uma "Conclusão". Carlos Augusto Viana procurou construir "um painel que revelasse as peculiaridades inerentes a cada um deles, bem como, por outro lado, também pusesse em revelo os vasos comunicantes que, em muitos momentos, podem aproximá-los uns dos outros".
Perfil
Jornalista por formação, Carlos Augusto Viana é mestre em Letras e doutor em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Ele integra o corpo de professores da Curso de Letras da Universidade Estadual do Ceará (UECE).
Diretor de Cultura e Arte do Ideal Clube, é ainda membro da Academia Cearense de Letras; da Academia de Letras e Artes do Nordeste; e da Associação Brasileira dos Bibliófilos. No jornalismo, editou os suplementos DN Cultura e Ler, do Diário do Nordeste. É autor de livros como "Primavera empalhada", "Inscrições dos lábios", "A báscula do desejo" (Prêmio Osmundo Pontes - 2003) e "Côdeas" (Prêmio Unifor - 2006).
Mais informações:
Lançamento do livro "A literatura cearense através de ensaios - volume 1/ Poesia", de Carlos Augusto Viana. Quarta-feira, 6, às 19h30, no Ideal Clube
(Av. Monsenhor Tabosa, 1381 - Meireles). Contato: (85) 3248.5688

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

Missão da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional

Livro aborda a memória crítica da escravidão

Bancário faz sua estreia como escritor