Efervescência cultural toma conta da antiga Vila Rica

A Vanguarda Tropical foi pano de fundo para a temática histórica deste ano.
A programação contou com performances nas ruas, oficinas e seminários.
A programação contou com performances nas ruas, oficinas e seminários. Foto (Charles Mascarenhas)
Por Charles Mascarenhas
Os blocos estavam nas ruas e não era carnaval. Performances e muito tropicalismo antropofágico tomaram conta da Vila Rica. Assim foi mais uma edição da CineOP - Mostra de Cinema de Ouro Preto.
Terminou nesta segunda-feira (18), a 13ª CineOP - Mostra de Cinema de Ouro Preto, cujo objetivo é trazer para a cidade histórica os encantos da sétima arte, e como olhares contemporâneos e diversificados contribuem para a construção de narrativas e preservação do cinema enquanto patrimônio.
Realizada pela primeira vez em junho de 2006, a ideia da Mostra desde o início não foi ser uma mostra competitiva, e sim uma exibição que se propõe a refletir sobre o cinema nacional, tanto histórico, no sentido de preservação, restauração e memória, quanto contemporâneo - fazendo assim um contraponto entre períodos e contextos políticos e sociais, tornando o cinema um espaço de conhecimento e educação.
Além das exibições, que aconteciam na Praça Tiradentes e no Cine Vila Rica, a programação contou com performances nas ruas, oficinas e seminários no Centro de Convenções e uma roda de conversa, com a presença ilustre do cantor Tom Zé, que revistou seu passado para falar Movimento Tropicalista e as influências nas artes contemporâneas.
Tendo a Vanguarda Tropical como pano de fundo para a temática histórica deste ano, a CineOP, como de costume,  recebeu e homenageou uma das grandes atrizes do cinema Novo e marginal da década de 60 e 70, a atriz Maria Gladys, que em 1968 exilou-se em Londres, por causa do AI-5.
Na programação de filmes contemporâneos, teve a exibição do filme Arábia, vencedor do Festival Brasília, dos diretores Affonso Uchoa e João Dumans; e do tocante curta Travessia, de Safira Moreira, que utilizando uma linguagem poética, Safira parte da busca pela memória fotográfica das famílias negras e assume uma postura crítica e afirmativa diante da quase ausência e da estigmatização da representação do negro.

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado