Em "Supernormal", Pedro Henrique Neschling combate a intolerância ao abordar a transexualidade em livro

Pedro Henrique Neschling
O autor Pedro Henrique Neschling: "tive cuidado em pesquisar a realidade das transexuais"
Pedro Henrique Neschling continua mais lembrado como ator, diretor, roteirista e dramaturgo, mas sua carreira como escritor ganha contornos cada vez mais nítidos. Depois de estrear em 2015 com "Gigantes", no qual, ao acompanhar os anos de amadurecimento de cinco amigos, mostrou o caminho da transformação do homem, ele retoma seu interesse pelos relacionamentos humanos (que norteia sua literatura) em "Supernormal", com um tema ao mesmo tempo delicado e urgente, especialmente em tempos de intolerância.
Beto é um rapaz cuja vida segue uma linha sem grandes novidades: jovem advogado, trabalha no escritório da mãe e, quando não está almoçando com colegas do trabalho, mata o tempo ouvindo suas bandas preferidas. Até o momento em que conhece Helena - na verdade, trata-se de André, seu melhor amigo na adolescência e que agora é uma mulher trans. Depois do choque, Beto sai da zona de conforto e não apenas tenta entender a transição enfrentada pelo amigo como também passa a levantar dúvidas sobre sua própria realidade.
"No livro, trato justamente das rupturas da norma", comenta Neschling. "Em nossa sociedade patriarcal e machista, uma mulher se desconstruindo como protagonista não serviria a isso. Quem entra nessa espiral de autoquestionamento precisava ser o 'padrão do padrão', o detentor maior de privilégios, ou seja, um sujeito como o Beto", justifica o autor.
"E esse processo é justamente consequência do reencontro com essa pessoa tão importante em seu passado, que é uma mulher trans e que ele jamais imaginou ser assim quando conviviam. Descobrir a transição sexual pela qual Helena passou gera um outro tipo de transição no Beto. E é disso que o livro trata", completa.
Pesquisa
Cuidadoso, o escritor fez uma intensa pesquisa antes de começar a escrever, a fim de evitar mal-entendidos. "Em termos de protagonismo, a história fala do Beto, homem branco hétero cisgênero, bastante privilegiado, e sua dificuldade de lidar com o desconhecido, com o diferente", conta.
"No entanto, tive bastante cuidado em pesquisar, entrevistar e me aprofundar na realidade das transexuais para evitar construir Helena - personagem fundamental na história - como qualquer tipo de estereótipo clichê de uma trans na visão cisgênera e, mais que isso, escorregar nas muitas cascas de banana que a ignorância sobre a realidade dessas pessoas me colocava", avalia.
Além de ler e de assistir a inúmeros documentários, Neschling conversou com mulheres trans generosas e disponíveis que compartilharam suas histórias e experiências.
Papel fundamental teve Amara Moira, travesti, doutora pela Unicamp. "Costumo dizer que é uma pessoa que veio do futuro", observa Neschling. "Esse encontro foi fundamental para o livro ser como é. A leitura e os apontamentos editoriais da Amara - não só por sua vivência trans, mas por ser uma escritora e crítica literária fantástica - foram fundamentais para dissolver os nós que ainda estavam ali e eu não sabia mais identificar".
Desconstruir
Se, em "Gigantes", Neschling revela seu cuidado ao tratar de transições que configuram a vida de uma pessoa quando adulta, em "Supernormal" ele avança em um terreno movediço, mas volta de lá com troféus. Engana-se, por exemplo, quem acreditar que o livro se concentra em torno de Helena - depois da surpresa provocada pela sua entrada na trama, Neschling equilibra o interesse do leitor entre a trajetória de Helena e a desconstrução sofrida por Beto.
"Trato da desconstrução do Beto através da Helena, falo sobre o momento em que nos questionamos se o que somos é o que queremos ser ou se somos meros reféns do caminho que percorremos", conta o escritor, decidido a levar a história ao cinema.
"E a amizade e o carinho que Beto e Helena têm um pelo outro é a mola que o impulsiona nessa jornada de autorredescobrimento, e, claro, como qualquer mudança interior, nunca é imediata. Busquei deixar essas dificuldades claras, assim como as inevitáveis recaídas em busca do antigo mundo comum".
Como vivemos em um momento de transição ("Estamos entre o que deixou de ser e o que ainda não é", já afirmou Zygmunt Bauman), isso se torna ainda mais desafiador. "Torço para que os conflitos do protagonista desse livro toquem e questionem as pessoas hoje, mas, daqui a algum tempo, que pareçam risíveis de tão antiquadas para novas gerações". (Agência Estado)

o livro
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

15 de novembro de 1889

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA