Exposição traz obras do cearense José Ximenes

por Diego Barbosa - Repórter
Image-0-Artigo-2412795-1
Xilogravura "Carnaubeira", uma das obras selecionadas pelo curador Maximiano de Lima para a exposição, em cartaz até julho
Embora estudos sugiram a origem da xilogravura na China e seu desenvolvimento na Idade Média, foi no Nordeste brasileiro que ela ganhou popularidade e estética particulares. Desenhar em relevo, imprimindo o cosmos de toda uma fartura de costumes e retratos dos Brasis "de dentro", é algo daqui, cresceu como representação de uma cultura artesanal. Labuta artística com nossa personalidade, é patrimônio imaterial da região.
Entre os nomes que despontam na técnica, o cearense José Ximenes de Lima talvez seja um dos menos conhecidos na contemporaneidade. A fase mais intensa de atividade do artista deu-se sobretudo nas décadas de 1960 a 1980 - quando, dentre outras conquistas, participou do Salão de Abril e expôs na Bienal de São Paulo. Depois, ficou afastado do mercado, o que não impediu suas produções de desafiarem o tempo e continuarem a possuir grande valor e expressão.
"Por mais de uma década, suas obras estavam fora do alcance do público. Hoje, organizo essa homenagem ao homem forte e inteligente a quem devo todo o meu aprendizado no mundo da arte, em especial da xilogravura", comenta Maximiano de Lima, doutor em Artes e professor titular do Curso de Licenciatura em Artes Visuais do Instituto Federal do Ceará (IFCE).
A homenagem a que se refere é a exposição "Ximenes 50 anos: uma estética cearense", cuja vernissage acontece nesta quinta-feira (14), a partir das 20h, no Museu da Cultura Cearense, do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC). A mostra fica em cartaz até 29 de julho, com acesso gratuito.
Propondo uma travessia pela trajetória cinquentenária de Ximenes na xilogravura e sob a curadoria de Maximiano, a exposição reúne vinte obras que apresentam uma estética criada pelo cearense, natural do município de Coreaú e nascido em 1943. Nela, encontra-se a particularidade de retratar, em detalhes, aspectos daquilo que sempre foi muito caro ao artista: a cultura do Estado.

Garimpagem
Íntimo das criações de Ximenes desde a infância - quando o ajudava a fazer gravuras no ateliê de casa - Maximiano de Lima comenta que o processo de seleção do material para a mostra foi feito a partir de uma atenta análise das matrizes elaboradas nessas cinco décadas de trabalho.
"Depois de observar as matrizes, escolhi as que representam fortemente o povo cearense. Em seu ateliê, eu e ele as limpamos e iniciamos o processo de impressão", conta o curador. "Me chama a atenção sua perfeição técnica e a preocupação em representar o povo de nosso Estado", frisa.
No Museu, essa gama de olhares que Ximenes atribui à terra está organizada em duas salas. A primeira tem vinte xilogravuras apresentando a estética cearense; a segunda guarda trabalhos de amigos do profissional, antigos e novos no mundo da arte, a exemplo de Claudio Dourado, Kleber Ventura, Descartes Gadelha, Tarcísio Félix, Maximiano Arruda, Mias (in memoriam), Roberto Galvão, Sebastião de Paula e Zé Tarcísio, além de uma pintura de sua falecida esposa.
Dimensão política
Seguindo um dos rastros mais particulares da arte - o de provocar reflexões sociais -, Ximenes foi além e utilizou técnicas como a pintura, a talha, a escultura, o couro e, de maneira especial, a xilogravura, para também retratar o momento político de um país mergulhado em atmosfera obscura.
Foi durante a Ditadura Militar que o artista investiu principalmente em representações de estruturas prediais, quase sempre sinônimos de poder e imponência. O trabalho "Forte de Nossa Senhora da Assunção", por exemplo, vai na mão dessa ideia, sinalizando que a autoridade e o poder estão no controle de uma instituição robusta, protegida por armas.
Nesse mesmo movimento, fortalecendo a resistência ao poderio opressor, a Casa de Raimundo Cela veio para ser um espaço de elucubrações artísticas firmes, advindas de professores e aprendizes que tentavam criar uma nova forma de expressão mediante o domínio das técnicas.
É envolto nessas representações importantes da historiografia social que Maximiano defende: "Precisamos mostrar nossos talentos. Ao ver, também aprendemos".

Mais informações:
Exposição "Ximenes 50 anos: uma estética cearense". Vernissage nesta quinta (14), às 20h, no Museu da Cultura Cearense (R. Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema). Em cartaz até 29/07, de terça a sexta, das 9h às 19h; sábado, domingo e feriados, das 14h às 21h). Entrada franca. Contato: (85) 3488.8621

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Mostra inédita de Paul Klee começa quarta-feira em São Paulo