Pular para o conteúdo principal

Festival Vida&Arte recebe a tradição indígena do Toré pelo povo Pitaguary

Foto: Marília Camelo/Especial para O POVO
O Largo Alberto Porfírio, no Centro de Eventos do Ceará, foi o palco da dança do Toré, apresentação do Festival Vida&Arte comandada pela tribo indígena Pitaguary, do Maracanaú, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). A música e a dança cativaram o público, que interagiu e participou da roda na tarde do sábado, 23, às 15h30min.
 
No total, 17 indígenas da tribo Pitaguary participaram do espaço no Festival Vida&Arte, tocando instrumentos tradicionais e compondo a roda de dança. “O toré é uma dança típica de vários povos indígenas, não só os Pitaguary”, explica Rosenilda Alexandre, 41, membro do grupo. “É um ponto forte da nossa identidade. A gente usa a dança do Toré nas festividades do povo, no luto, pra tudo a gente utiliza o toré, ou seja, o toré faz parte de tudo na tribo Pitaguary e nas tribos indígenas do Ceará”.
 
Rosenilda conta ainda que o grupo ficou satisfeito em participar do Festival e trazer um pouco da cultura tradicional para o espaço. Segundo ela, a dança do Toré é feita por um grupo bem maior, de 45 pessoas, e costuma durar mais tempo do que a que foi apresentada no FVA. “Aqui a gente está com mães, alunos de escola, cacique, eu sou professora e tem a liderança do grupo”, conta a indígena. “Aqui a gente tem crianças a partir de seis anos, mas na comunidade a gente trabalha nas escolas desde a educação infantil até o ensino médio.”
 
Sobre a importância da festividade ela explica: “o Toré é religião, tem a parte religiosa, tem a arte espiritual e tem a parte lúdica. Ele é muito importante pra gente. Cada povo tem suas músicas, cria suas danças. É diferente de uma tribo para outra". Ao fim da apresentação, o grupo convidou o público a conhecer a tribo no Maracanaú, marcando uma visita com os líderes da comunidade. Além dos Pitaguary, outros povos indígenas participam do FVA, apresentando suas culturas tradicionais.
 
Confira as fotos da dança do Toré dos índios Pitaguary:
 
Clique na imagem para abrir a galeriaFoto: Marília Camelo/Especial para O POVO
O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08