Livro sobre Parsifal Barroso é lançado

O autor do livro, jornalista e historiador Luís-Sérgio Santos, ao lado dos filhos do biografado, Régis Barroso e Siglinda Barroso, e do neto Igor Queiroz Barroso, presidente do Instituto Myra Eliane ( FOTO: KID JÚNIOR )
A narrativa da trajetória de um cearense extremamente relevante no campo político e intelectual chega, finalmente, às mãos dos leitores brasileiros. Se antes a historiografia cearense tinha uma lacuna em relação ao registro da carreira de Parsifal Barroso, agora, esta memória está devidamente escrita. Lançada na noite de ontem (5), na Livraria Cultura, pelo Instituto Myra Eliane, a obra intitulada "Parsifal, um intelectual na política" resgata, em mais de 400 páginas, a memória do percurso de vida do político que, dentre outros feitos, não abriu mão do magistério. O livro, escrito pelo jornalista e historiador Luís Sérgio Santos, dá ao público a possibilidade de reconhecer os caminhos feitos por esse ilustre cearense.
A biografia, segundo o autor, nasceu de uma inquietação frente a esta "falta de registro oficial" sobre Parsifal. Ontem, no lançamento do livro o jornalista relatou o percurso de produção, que durou cerca de três anos. O evento contou com a presença dos filhos do biografado, Régis Barroso e Siglinda Barroso e do neto Igor Queiroz Barroso, presidente do Instituto Myra Eliane e diretor institucional do Grupo Edson Queiroz. Na ocasião, o jornalista Egídio Serpa mediou um bate-papo com o autor do livro e o neto do biografado.
"Nós, da família, fomos procurados pelo Luís-Sérgio, professor da Universidade Federal do Ceará, que nos havia dito que estava trabalhando em uma pesquisa para concluir uma biografia sobre Parsifal Barroso e resolvi ajudar, publicar e financiar. E conhecer a vida de Parsifal Barroso foi algo de grande importância para minha própria vida", explica Igor Queiroz Barroso e acrescenta que o livro foi uma oportunidade para debruçar-se sobre a trajetória do avô, que faleceu quando ele tinha 14 anos. "Ele não fugia do debate. Mas sempre através dos argumentos, dos fatos e dos dados. Nunca através da violência", ressalta Igor Queiroz.
Em vários episódios narrados na biografia, enfatiza ele, essa capacidade de diálogo e potencial para agregar inclusive opositores políticos, fica evidente. "Quando em 1977 ele saiu do último pleito dele para ir trabalhar no Tribunal de Contas, ele, por mais de duas horas, recebeu agradecimentos na Câmara Federal", conta Igor Queiroz.
Narrativa
Parsifal foi deputado estadual, deputado federal, senador, governador e esteve à frente do Ministério do Trabalho, da Indústria e do Comércio, na gestão de Juscelino Kubitschek. Esta trajetória é narrada de modo "meio heterodoxo" no livro, conforme Luís-Sérgio, mas sem deixar de contemplar "toda a história".
"A narrativa começa com Parsifal ministro de Juscelino Kubitschek. Aí, eu tento detalhar ao máximo como foi o processo de indicação dele, o que ele fez no Ministério, inclusive que ele ajudou na construção de Brasília e depois, eu volto para a origem dele, seguido pelas influências, a importância de Hermínio Barroso, pai dele, na formação e falo sobre a obra de Parsifal, como o livro O Cearense", explica.
A pesquisa teve como base acervo do jornal O Estado - cujo Parsifal foi proprietário durante um período-, o DOC do Curso de História da UFC, o Instituto do Ceará e a Biblioteca Nacional. Além disso, ressalta o autor, o depoimento dos familiares foi relevante para entender e descrever a atuação de Parsifal.
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado