MEC autoriza 2,5 mil bolsas para indígenas e quilombolas

A bolsa permanência é de R$ 900. Trata-se de um auxílio financeiro que tem por finalidade reduzir as desigualdades sociais e étnico-raciais

De acordo com o MEC, o programa está atendendo aproximadamente 10 mil indígenas e quilombolas.
De acordo com o MEC, o programa está atendendo aproximadamente 10 mil indígenas e quilombolas. (Mayke Toscano/ GEMT)

O Ministério da Educação (MEC) autorizou 2,5 mil bolsas para estudantes do ensino superior indígenas e quilombolas, para o segundo semestre deste ano. As inscrições deverão ser feitas pelo site do Sistema de Gestão da Bolsa Permanência (SISBP), a partir de segunda-feira (18) até o dia 31 de agosto.
De acordo com o MEC, as instituições federais de ensino superior farão a análise da documentação comprobatória de elegibilidade dos estudantes ao programa e a aprovação dos cadastros no sistema de gestão entre os dias 18 de junho e 28 de setembro.
 Segundo a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), 2,5 mil estudantes indígenas e quilombolas estão sem a bolsa permanência desde o início do ano.
A bolsa permanência é de R$ 900. Trata-se de um auxílio financeiro que tem por finalidade reduzir as desigualdades sociais, étnico-raciais e contribuir para a permanência e a diplomação dos estudantes de graduação em situação de vulnerabilidade socioeconômica.
Neste ano, de acordo com o MEC, o programa está atendendo aproximadamente 10 mil indígenas e quilombolas. Estão garantidos R$ 150 milhões em 2018. Os recursos são pagos diretamente aos alunos por meio de um cartão de benefício.

Agência Brasil

Comentários

Mais Visitadas

Prêmio Sesc de Literatura encerra inscrições na quinta-feira (14)

“A Paixão de Cristo”: segunda parte, “A Ressurreição”, pode estrear ainda em 2019

Filme sobre Marighella é resposta artística a cenário político brasileiro, diz Wagner Moura