Mostra de 90 anos de fotojornalismo é uma das atrações do Festival Vida&Arte

Durante 90 anos, os repórteres fotográficos do O POVO capturaram o cotidiano em imagens que contaram histórias junto de textos, infográficos, vídeos e outros recursos. Uma amostra do trabalho desenvolvido durante as últimas nove décadas poderá ser vista durante o Festival Vida&Arte - que acontece de 21 a 24 de junho no Centro de Eventos do Ceará. A Exposição Fotojornalismo O POVO 90 anos reúne 36 imagens e poderá ser vista durante os quatro dias da programação.
Iana Soares, curadora da mostra, explica que a fotografia sempre ocupou um espaço especial nas páginas do O POVO. Prova disso, ela lembra, é que na primeira semana de circulação do Jornal, em janeiro de 1928, o periódico já utilizava a imagem como recurso para contar histórias. “Não só espaço físico, mas espaço de narrativa. É um jornal que aposta no visual como lugar da informação”.
“No decorrer destas nove décadas, O POVO narrou e apresentou em imagens fatos que mudaram a história de Fortaleza e do Ceará, contou e fotografou a narrativa de muitos personagens que passaram por aqui. É memória imagética de seu tempo”, afirma Ana Naddaf, diretora-executiva da Redação.
As 36 imagens que compõem a exposição fazem um passeio pela história do Ceará. Os visitantes poderão apreciar registros sobre momentos históricos - como a morte do ex-presidente Castelo Branco, o assalto ao Banfort e o sequestro de Dom Aloísio Lorscheider. Mas, também, grandes reportagens feitas especialmente pelo Jornal. “Histórias que nem sempre estão na superfície, mas o jornal vai investigar”, afirma Iana. A mostra ficará no Espaço André Salgado, que homenageia o repórter fotográfico do O POVO morto em 2013, aos 24 anos.
Festival Vida&Arte
Data: 21 a 24 de junho
Local: Centro de Eventos do Ceará (av. Washington Soares, 999)
Quanto: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia) - válido para toda a programação do dia no evento (o acesso às atrações está sujeito à lotação dos espaços )
Ingressos à venda no sitefestivalvidaearte.com.br e na portaria do Jornal O POVO (av. Aguanambi, 282 -Joaquim Távora) e nas lojas JEF do Iguatemi e do RioMar Fortaleza
Programação completa: festivalvidaearte.com.br
MANOEL CUNHA

DEPOIS DE DEIXAR a presidência do Brasil, o marechal Castelo Branco morre após a queda do avião em que viajava ao lado do irmão e de outros passageiros. Das seis pessoas da aeronave, somente o copiloto sobreviveu ao desastre. Castelo havia sido o primeiro presidente da ditadura militar (1964-1985) e os mistérios em torno do fato tomaram conta do País. A foto de Manoel Cunha foi a principal imagem jornalística do Brasil de 1967.
MATEUS DANTAS
A IMAGEM CAPTADA pelo repórter fotográfico Mateus Dantas mostra a alegria de Tiago Barreto e Caio, pai e filho, quando o Fortaleza Esporte Clube conseguiu o acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro, em 2017. A conquista aconteceu após oito anos permanecendo na Série C do torneio. A fotografia foi feita após gol do Fortaleza contra o Tupi - em um jogo realizado no Estádio Castelão e que terminou com placar de 2 a 0. A imagem invadiu as redes sociais e cativou todas as torcidas - incluindo os alvinegros - pela alegria contagiante e sinceridade.
TATIANA FORTES
A MESTRE DA CULTURA Margarida Guerreiro, residente na região do Cariri, foi fotografada por Tatiana Fortes. Natural de Alagoas, Maceió - Margarida chegou ao Ceará aos oito anos movida pela fé em Padre Cícero. Havia vivenciado as artes populares na terra natal e, residindo em Juazeiro do Norte, se dedicou ao Guerreiro — sequência de cantigas dançadas. Foi titulada como mestre da cultura em 2004. Hoje, reside na Casa do Idoso Associação Assistencial José Bezerra de Menezes, onde a imagem foi captada pela repórter fotográfica.
MARIANA PARENTE/ MARÇO DE 2017

A TRAVESTI DANDARA DOS SANTOS foi torturada e assassinada em Fortaleza, em fevereiro de 2017. O crime só foi descoberto dias depois, após divulgação de um vídeo na internet. Na foto feita por Mariana Parente - então estagiária de fotografia do O POVO -, Francisca Ferreira Vasconcelos segura um retrato da filha. O caso ganhou repercussão internacional e a fotografia se tornou um ícone da narrativa. A imagem também foi publicada no jornal americano The New York Times.
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

MASP completa 50 anos de histórias

Cearense Mailson Furtado ganha o Prêmio Jabuti de livro do Ano