Pular para o conteúdo principal

O Presidente da AMLEF e professor Régis Frota lança hoje “Memória & Silêncio no cinema Chileno”

Há uma década, o cinema chileno conheceu uma explosão de criatividade. Decorrido apenas um lustro da histórica decisão plebiscitária e popular chilena de desprendimento/olvido do general Pinochet e sua ideologia, a cinematografi a do Chile se renova, retoma sua criatividade, obtém o reconhecimento internacional através de inúmeros prêmios nos maiores festivais cinematográfi cos do ocidente. A intenção desse livro é proceder a uma análise do potencial dessa cinematografi a hoje. Busca tornar conhecido do público leitor brasileiro o potencial do fi lme chileno, sua identidade com uma pós-modernidade, atento às intimidades desencantadas pelos filmes produzidos após o ano 2000.
Assim como a classe média brasileira parece ter descoberto, após a entrada do milênio, a beleza da geografia chilena, a simpatia de seu povo, a prepotência da cordilheira que cerca a capital Santiago, bem como acompanha longilínea e horizontalmente todos os recantos do deserto de Atacama, ao norte, até os lindos lagos azuis, ao sul, e vulcões provocativos que por lá ameaçam expulsar do interior da terra larvas e fumaças, o brasileiro passou a superlotar os aviões da LATAM rumo às turísticas visitas das vinhas e montanhas geladas do país andino, para despertar para um novo destino durante as férias, de janeiro a dezembro, de igual modo, o público brasileiro somente agora descobriu o valor do cinema chileno, eis minha intenção ao publicar este livro: possibilitar uma intimidade com a bibliografi a especializada daquele país que aborda sua atual cinematografia.
No corrente ano de 2017, o cinema chileno será, merecidamente, homenageado com grande retrospectiva e máster class na cidade de Fortaleza, por ocasião da realização da 27ª edição do Cine Ceará. E já em julho de 2016 entrara em cartaz nas salas de exibição do Brasil, o recente documentário El botón de Nácar(O botão de pérola,2015), dirigido por Patrício Gúzman, veterano cineasta chileno, o qual juntamente com Miguel Littin e Raul Ruiz, pavimentaram o caminho não só para seus conterrâneos e contemporâneos, como para as gerações que se seguiram e que produzem um cinema superlativo e icônico, pleno de “intimidades desencantadas”, como descrito no primeiro capítulo deste livro. Gúzman, aliás, fi zera filmes bem antes de o cine chileno despontar e eclodir nos grandes festivais (como o Cine Ceará 2015, quando outro fi lme chileno, “O Clube”, dirigido por Pablo Larraín, obteve o troféu de melhor filme), e foi pioneiro em quase todas as fases do cinema de seu país- e também um expoente em todas elas, em uma contribuição para o documentário de longa metragem que a consideração da crítica inglesa lhe atribuiu entre os dez melhores documentários de todos os tempos, por seus fi lmes anteriores, La nostalgia de la luz(2010) e La batalla de Chile I a III (1974/1979), mal poderia dimensionar.
Divididas as atenções entre longas metragens de fi cção e documentários, o atual cine chileno ocupa o imaginário do povo daquele país andino de forma emblemática e vigorosa: realizados ambos os fi lmes em 2015, “O Clube” e o “Botão de pérola” refl etem todo o silêncio e toda a memória de uma história heroica de um povo bravio, imprensado entre a cordilheira e o mar pacífi co, da resistência à ditadura pinochetista aos escândalos de pedofilia na Igreja do país.
Este livro analisa como o cinema chileno contemporâneo aborda as relações familiares. Se nos filmes dos anos 1960 o indivíduo e a família surgem desfocados, para que a cena política e social ganhe evidência, nos filmes aqui analisados, sobremodo as películas referidas no primeiro capitulo sobre o novíssimo cine chileno, os conflitos individuais e as relações familiares protagonizam a ação e tornam-se uma representação de conceitos como país, pátria e sociedade. Algo que, de certo modo, igualmente aconteceu com o cinema brasileiro da retomada.
Os demais capítulos se dividem, ora em apreciações estéticas e comparativas entre algumas películas chilenas e brasileiras, ora em ressaltar aspectos históricos das diversas fases evolutivas da produção cinematográfica chilena. Espero que o leitor brasileiro encontre alguma resposta para as tantas indagações sobre a eventual relevância do cinema chileno hoje, um cinema periférico ao modelo dominante hollywoodiano, mas que se identifica com estas características que marcam a recente história e a cultura do povo chileno: o silêncio e a memória.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…