Pela quinta vez, de hoje (4) até sábado (9), a comunidade de Vazantes (Aracoiaba/CE) recebe mostra de curtas

por Felipe Gurgel - Repórter
Filme "Los Dos Cines de Yody Jarsún", de Alejandro Gallo Bermúdez, um dos inscritos selecionados
Filme em animação "O Consertador de Coisas Miúdas", de Marcos Buccini
A partir desta segunda (4) até sábado (9), acontece a quinta edição da Mostra Curta Vazantes (no distrito homônimo, localizado em Aracoiaba, município a 83 km de Fortaleza). O evento reúne oficinas para a comunidade e exibição de 17 curtas-metragens, escolhidos entre 456 inscritos (do Brasil, Argentina e Inglaterra).
A mostra não é competitiva e a intenção da organização é movimentar a comunidade que, antes de receber o Curta Vazantes, já apresentava uma vocação para a realização de eventos culturais em outras linguagens artísticas. Vale ressaltar que toda a programação tem entrada franca.
O cineasta pernambucano e organizador da mostra, Leo Tabosa, recapitula que o projeto surgiu de sua vontade em levar cinema para comunidades do Interior. Ele mesmo recorda que, quando criança, em Caruaru (CE), a programação audiovisual não tinha uma exibição regular na cidade.
"Então, como cresci sem cinema, quis levá-lo para a comunidade. São espaços que costumam virar centros religiosos, comércios. Quando passei a estudar e trabalhar com isso veio a necessidade de interiorizar essa ação", observa Leo.
A iniciativa também se propõe a descentralizar a programação cinematográfica do circuito das capitais brasileiras - no Nordeste, sobretudo nas grandes cidades litorâneas. Antes de Leo Tabosa levar o Curta Vazantes para o referido distrito, o local já era atendido por projetos como "Fé e Alegria", da companhia de Jesuítas, cujo trabalho foca na interface entre a cultura e a educação.
"Essa iniciativa existe em vários lugares da América Latina. Fui conhecer o de Vazantes, convidado pela Universidade Católica de Pernambuco (onde é professor)", pontua Leo.
Paixão
Quando descobriu o "Fé e Alegria" em Vazantes, o cineasta enfatiza que se apaixonou pela comunidade. "O 'Fé e Alegria' desenvolveu projetos com música, dança, teatro, capoeira, e as crianças faziam filmes documentais a partir disso. Já tinha esse movimento, então entrei no edital do Banco do Nordeste (para captar recursos). E conseguimos viabilizar o projeto", recapitula.
Tabosa observa que há crianças da comunidade que participaram da primeira edição e hoje aparecem na programação como realizadores, a exemplo de João Marcos Maia (e o documentário "Leide", 13min).
"Ele encabeça o coletivo Curta Cinema, e produz vários filmes documentais, e de animação, como também promove pequenas oficinas para outras crianças", situa o cineasta e idealizador.
Recorte
Para escolher 17 filmes, dentre mais de 450 inscritos, Leo Tabosa destaca que a curadoria faz uma espécie de "recorte social". "Pela questão de mostrar outras comunidades, outras culturas para Vazantes, (ganham espaço) a temática ambiental, de gênero, a racial, a participação da mulher negra no cinema. Temas bem atuais, sempre pensando em filmes que podem ser trabalhados em sala de aula depois", define o pernambucano.
Recapitulando as edições anteriores, Leo Tabosa conta que a mostra só teve patrocínio do poder público (via Lei Rouanet de Incentivo à Cultura) a partir da segunda edição. Com o incremento orçamentário, a organização conseguiu levar a Vazantes parte dos realizadores da programação naquele período, a fim de debater suas obras com o público.
Leo diz que, a cada ciclo de captação de recursos, costuma procurar a Prefeitura Municipal de Aracoiaba para conseguir apoio, e também inscreve o projeto em editas de cultura de alcance nacional. No entanto, ele acredita que, pelo fato de Vazantes não ser um grande centro urbano, a mostra não seria uma vitrine publicitária para os apoiadores.
"Toda empresa declara sua missão nessa questão social, mas na hora de apoiar um projeto cultural assim, quer é visibilidade. E a comunidade não dá esse retorno direto. Ainda consigo viabilizar as projeções, o mínimo para a mostra acontecer. Mas a gente gostaria de um patrocínio mais efetivo", sinaliza Leo Tabosa.
Oficinas
As oficinas da programação são voltadas para estudantes e jovens da comunidade e adjacências, com faixa etária de 12 a 25 anos, em situação de exclusão e vulnerabilidade social. A atividade "1º Anima Vazantes - Oficina de Cinema de Animação Stop Motion", com Gabi Saegesser, apresentará o cinema de animação por meio da técnica do stop motion.
Ainda na mesma programação educativa, Juarez Ventura realiza a oficina "Foto na Caixa", apresentando a câmera escura e a tradicional técnica "pinhole".

Programação

Quinta (7)
"Los dos cines de Yody Jarsún" (Ficção / 5'/ 2017 / Argentina), de Alejandro Gallo Bermúdez
"O consertador de coisas miúdas" (Animação / 10'35"/ 2017 / PE), de Marcos Buccini
"Luiz" (Ficção / 16'/ 2017 / SP), de Alexandre Estevanato
"Sobre um filme que não acabou" (Documentário / 12' 22"/ 2017 / RS), de Diego Tafarel
"Minha mãe, minha filha" (Ficção / 16'/ 2018 / SP), de Alexandre Estevanato
"Leide" (Documentário / 13'/ 2018 / CE), de João Marcos Maia
Sexta (8)
"Castigo" (Ficção / 13'/ 2017 / RJ), de Lucas Maia
"Eu sou o super-homem" (Ficção / 19'25"/ 2018 / SP), de Rodrigo Batista
"Casca de Baobá" (Ficção / 12' / 2017 / RJ), de Mariana Luiza
"Boca de Fogo" (Documentário / 9'/ 2017 / RJ), de Luciano Pérez Fernández
"A Botija" (Ficção / 2'28"/ 2017 / CE), de João Marcos Maia
"Os três erres em ação" (Animação / 3'37"/ 2017 / CE), de João Marcos Maia
Sábado (9)
"Brasas de Sebastião" (Ficção / 1'35"/ 2017 / CE), de João Marcos Maia
"Eu pensei, mas aqui cheguei" (Documentário / 18'30" / 2018 / PE), de Chris Oliver
"Timbo" (Documentário / 9' / 2017 / Brasil/ Inglaterra), de Peiman Zekavat
"Flecha Dourada" (Documentário / 15'/ 2017 / SC), de Cíntia Domit Bittar
"El Niño y la noche" (Animação / 12'/ 2017 / Argentina), de Claudia Ruiz
Mais informações:
V Mostra Curta Vazantes. De segunda (4) a sábado (9), na comunidade Vazantes, distrito de Aracoiaba (CE). Acesso gratuito.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Alagoano que dirigiu filme que teve cenas gravadas em Penedo toma posse na ABL

Literatura e cinema ajudaram a tornar Notre-Dame conhecida no mundo

Exposição "Gesto Tempo" apresenta diversas formas de bordar

Academia Brasileira de Letras doa livros para índios guaranis no Rio

Catedral de Notre-Dame, em Paris, sofre incêndio na tarde desta segunda-feira