Pular para o conteúdo principal

PRA FRENTE É QUE SE ANDA

Grecianny Carvalho Cordeiro*

A vida segue adiante.
Nós andamos para a frente, embora tenhamos que, de vez em quando, olhar para trás, notadamente, para lembrarmos dos nossos erros e assim não voltarmos a cometê-los; ou dos acertos, só para constatar que valeu a pena.
Com a História, a coisa é mais ou menos assim.
Ao longo do tempo, as civilizações tiveram seu apogeu e seu declínio. Grandes guerreiros. Impérios poderosos. Líderes cruéis e sanguinários. Pacifistas encantadores... Enfim, ao longo de 21 séculos, podemos dizer que vimos um pouco de tudo: do bom e do ruim, do bem e do mal, do justo e do injusto, a eterna dualidade que acompanha o ser humano em sua trajetória, mesmo aquela que dormita no recôndito de sua alma.
Vez por outra, precisamos relembrar de Hitler, para que jamais possa acontecer de novo o extermínio de um povo, seja por qual motivo for: etnia, raça, religião, credo. Ainda assim, em 1992, o extermínio de muçulmanos na guerra da Bósnia, por parte dos sérvios, resultou em uma série de crimes contra a humanidade, com condenações pelos tribunais penais internacionais. 
Lembremos também de Hiroshima e Nagasaki, destruídas por uma bomba nuclear lançada pelos Estados Unidos. Atualmente, os Estados Unidos e a Coréia do Norte encontram-se na iminência de um ataque de igual natureza.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto
No Brasil, em 1964, teve início uma ditadura militar que perduraria por décadas. Direitos e liberdades individuais foram suprimidos. Liberdade de imprensa foi cerceada. Censura. Prisões ilegais. Torturas. Isso é fato histórico. Ninguém pode negar.
De alguns anos para cá, nunca se falou tanto em intervenção militar, retorno da ditadura, fato que se deve às desilusões com a democracia brasileira, com os políticos brasileiros, mergulhados em escândalos de corrupção.
Uma intervenção militar resolveria nossos problemas?
Seriam os militares mágicos?
Através do uso da força resolveríamos o problema da educação? Moral e Cívica e obrigatoriedade de cantar o hino nacional?
E a segurança pública? Os tanques nas ruas impediriam o tráfico de drogas e de armas? A expansão do crime organizado?
E a saúde? O atendimento de boa qualidade, remédios e leitos estariam garantidos?
Fechar o Congresso Nacional e acabar com os partidos políticos daria um fim à corrupção?
A democracia brasileira é frustrante e funciona da pior forma, mas como disse Churchill: “a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais”.

Andemos para frente!

*Promotora de Justiça

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08