667 resgatados em situação análoga à escravidão desde 2007 no Ceará

IMAGEM DA SÉRIE, assinada pelo fotógrafo e auditor fiscal do trabalho Sérgio Carvalho, que retrata trabalhadores resgatados no Ceará DIVULGAÇÃO / SÉRGIO CARVALHO
IMAGEM DA SÉRIE, assinada pelo fotógrafo e auditor fiscal do trabalho Sérgio Carvalho, que retrata trabalhadores resgatados no Ceará DIVULGAÇÃO / SÉRGIO CARVALHO
Estudo do Instituto do Desenvolvimento do Trabalho (IDT) com a Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Direitos Humanos apresentado ontem aponta que 667 trabalhadores foram resgatados em situação análoga à escravidão entre 2007 e 2017 em todo o Ceará. Segundo o estudo, que usou dados do Ministério do Trabalho, o ano com maior ocorrência de resgates foi 2008, com 169 trabalhadores libertos. Em 2017, 64 pessoas foram tiradas de situações de exploração. O principal objetivo da pesquisa é permitir a elaboração de políticas públicas mais assertivas para a erradicação do trabalho escravo no Ceará, com base na capacitação, combate e prevenção.
O trabalho escravo, conceitualmente, inclui situações como jornadas extenuantes e degradantes, condições insalubres e imposição de trabalhos contra a vontade do empregado por meio de dívidas, ameaças ou violências. “Se dá por relações que perpassam bem ao largo de qualquer sistema regulador da legislação trabalhista”, explica o coordenador de estudos e análise de mercado do IDT, Erle Mesquita, autor da pesquisa.
Atualmente, os trabalhadores resgatados recebem seguro-desemprego no valor de um salário mínimo por, no máximo, três meses. Além da comprovação da situação da qual foi retirada, a vítima precisa não estar recebendo benefício da Previdência Social, exceto no caso de auxílio-acidente e pensão por morte, bem como não possuir renda própria para o sustento de sua família.
O estudo sugere apontamentos para o Plano Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo no Ceará, que deve ter medidas divulgadas pelo Governo do Estado na próxima sexta-feira, 6. O plano prevê ações de políticas públicas para a prevenção do trabalho escravo e para o auxílio do reingresso de resgatados no mercado de trabalho.
Entre as sugestões feitas pela pesquisa, está o fortalecimento da atividade econômica no interior do Ceará para a redução do desemprego e dos elevados índices de informalidade das relações de trabalho. Além disso, é pedida a reativação da rede de atendimento aos trabalhadores para que eles tenham maior acesso a diferentes políticas públicas.
Para o secretário do Trabalho e Desenvolvimento Social do Estado, Francisco Ibiapina,o estudo deve ser utilizado para a revisão das políticas públicas. “A partir desse estudo espero que nós possamos evitar que mais cearenses sejam escravizados”, afirma. Ele defende a capacitação profissional dessas pessoas para que possam procurar condições de trabalho dignas, medidas de prevenção perante a sociedade e estratégias a longo prazo para a erradicação.
“A base do trabalho escravo está na vulnerabilidade das vítimas e potenciais vítimas”, diz o auditor fiscal do trabalho e coordenador do combate ao trabalho escravo no Ceará, Sérgio Carvalho, também presente no evento de apresentação do estudo. Ele considera que a fiscalização é apenas uma parte da luta na erradicação da escravidão moderna, sendo a capacitação dos profissionais o principal aspecto. 

O QUE FAZIAM 
Os trabalhadores resgatados no Ceará atuavam na agricultura, pecuária, exploração de carnaúba, cultura de cana-de-açúcar, como operadores de motosserra, vendedores ambulantes, carpinteiros e pedreiros. 

O Povo

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado