Pular para o conteúdo principal

667 resgatados em situação análoga à escravidão desde 2007 no Ceará

IMAGEM DA SÉRIE, assinada pelo fotógrafo e auditor fiscal do trabalho Sérgio Carvalho, que retrata trabalhadores resgatados no Ceará DIVULGAÇÃO / SÉRGIO CARVALHO
IMAGEM DA SÉRIE, assinada pelo fotógrafo e auditor fiscal do trabalho Sérgio Carvalho, que retrata trabalhadores resgatados no Ceará DIVULGAÇÃO / SÉRGIO CARVALHO
Estudo do Instituto do Desenvolvimento do Trabalho (IDT) com a Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Direitos Humanos apresentado ontem aponta que 667 trabalhadores foram resgatados em situação análoga à escravidão entre 2007 e 2017 em todo o Ceará. Segundo o estudo, que usou dados do Ministério do Trabalho, o ano com maior ocorrência de resgates foi 2008, com 169 trabalhadores libertos. Em 2017, 64 pessoas foram tiradas de situações de exploração. O principal objetivo da pesquisa é permitir a elaboração de políticas públicas mais assertivas para a erradicação do trabalho escravo no Ceará, com base na capacitação, combate e prevenção.
O trabalho escravo, conceitualmente, inclui situações como jornadas extenuantes e degradantes, condições insalubres e imposição de trabalhos contra a vontade do empregado por meio de dívidas, ameaças ou violências. “Se dá por relações que perpassam bem ao largo de qualquer sistema regulador da legislação trabalhista”, explica o coordenador de estudos e análise de mercado do IDT, Erle Mesquita, autor da pesquisa.
Atualmente, os trabalhadores resgatados recebem seguro-desemprego no valor de um salário mínimo por, no máximo, três meses. Além da comprovação da situação da qual foi retirada, a vítima precisa não estar recebendo benefício da Previdência Social, exceto no caso de auxílio-acidente e pensão por morte, bem como não possuir renda própria para o sustento de sua família.
O estudo sugere apontamentos para o Plano Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo no Ceará, que deve ter medidas divulgadas pelo Governo do Estado na próxima sexta-feira, 6. O plano prevê ações de políticas públicas para a prevenção do trabalho escravo e para o auxílio do reingresso de resgatados no mercado de trabalho.
Entre as sugestões feitas pela pesquisa, está o fortalecimento da atividade econômica no interior do Ceará para a redução do desemprego e dos elevados índices de informalidade das relações de trabalho. Além disso, é pedida a reativação da rede de atendimento aos trabalhadores para que eles tenham maior acesso a diferentes políticas públicas.
Para o secretário do Trabalho e Desenvolvimento Social do Estado, Francisco Ibiapina,o estudo deve ser utilizado para a revisão das políticas públicas. “A partir desse estudo espero que nós possamos evitar que mais cearenses sejam escravizados”, afirma. Ele defende a capacitação profissional dessas pessoas para que possam procurar condições de trabalho dignas, medidas de prevenção perante a sociedade e estratégias a longo prazo para a erradicação.
“A base do trabalho escravo está na vulnerabilidade das vítimas e potenciais vítimas”, diz o auditor fiscal do trabalho e coordenador do combate ao trabalho escravo no Ceará, Sérgio Carvalho, também presente no evento de apresentação do estudo. Ele considera que a fiscalização é apenas uma parte da luta na erradicação da escravidão moderna, sendo a capacitação dos profissionais o principal aspecto. 

O QUE FAZIAM 
Os trabalhadores resgatados no Ceará atuavam na agricultura, pecuária, exploração de carnaúba, cultura de cana-de-açúcar, como operadores de motosserra, vendedores ambulantes, carpinteiros e pedreiros. 

O Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …