Associação Cia. Vidança encerra ciclo de cursos com evento para a comunidade

Modificar realidades sociais incluindo a arte no cotidiano de crianças, jovens e adultos é a missão da Cia. Vidança, uma associação sem fins lucrativos, que existe há 38 anos e transformou o solo salino da Barra do Ceará, em um projeto fértil e transformador.
Sob a administração da professora e coreógrafa Anália Timbó, a ONG atende por mês mais de 150 pessoas do bairro Vila Velha e do entorno, trabalhando a sensibilidade e incentivando a inclusão social utilizando do aprendizado de linguagens artísticas e culturais para protagonizar essa comunidade.
A culminância de um ciclo dessas ações acontece no próximo dia 6 de julho, na “Praça do Vidança”, a mostra reúne apresentações oriundas de sete oficinas, que tiveram início dia 18 de julho, sendo elas: Dança Clássica, Danças Dramáticas, Danças Urbanas, Contação de Histórias, Dança Funcional, Artes Manuais, Capoeira, além de quadrilha Fuxico Junino, quadrilha infantil e grupos de dança convidados, bazar e comidas típicas. O evento gratuito, aberto para todos e tem às 18h.
As aulas foram possíveis através do Edital de Chamamento Público nº 001-2018, do Governo do Estado do Ceará por meio da Casa Civil, segundo Anália, o projeto de dança e cidadania assume um papel importante na promoção da cultura fortalezense e fortalece relações entre artistas, produtores, gestores e outros personagens ligados a cena da economia criativa na região.
Ezio Flor, professor de Hip Hop, achou na dança um fator de mudança e um meio de geração de renda. “Eu também fui aluno e me expressar pelos movimentos do meu corpo me fez enxergar novas possibilidades, agora tenho a oportunidade de passar isso a diante, vai ser muito satisfatório ver o resultado dessas aulas no dia 6, estamos todos ansiosos para ver a apresentação dos alunos. ” Explica o coreógrafo, que trabalha na Associação há dois anos.

Sobre a Cia. Vidança

A história da dança no Ceará pode ser contada emparelhada com a história da Cia. Vidança, que foi o primeiro grupo de dança independe do estado, criado por Anália Timbó, em 1980. A coreografa, que se apaixonou pela arte aos 14 anos, ao assistir uma apresentação de Maracatú, veio de Santa Quitéria, para a capital, com a vontade de sentir de forma contínua, a mesma sensação que sentiu ao assistir a apresentação ainda menina. “O meu coração bateu mais forte e senti meu corpo levitar, percebi que eu tinha uma missão e a arte iria me proporcionar esse caminho. ” Nos anos 1974, se matriculou na aula de Balé Clássico no SESI, com o professor Denis Gray lá aprendeu em técnica o que já sabia em talento, não demorou e se tornar professora, mas as horas que passava na sala do equipamento não eram suficientes, queria mais, e ao voltar para casa, aproveitava a beleza do pôr do sol na Barra para reunir jovens e trabalhar lições teatrais. Com os mais dedicados, montou a Cia. Vidança, como o nome já diz: “viver para a dança”. 38 anos depois, a Cia. se tornou uma Associação de responsabilidade artístico-social e forma alunos que como ela se tornam difusores e multiplicadores da dança.

Os cursos:

Os cursos oferecidos para Associação acontecem continuamente nos turnos manhã, tarde e noite. A inscrição é gratuita e sujeita a lotação. Para fazer a matricula basta ir até o local em horário comercial portando documentação necessária:
Xerox da Certidão de Nascimento.
Xerox do RG. CPF, Carteira de Trabalho e Título de Eleitor (dos responsáveis)
Xerox do Comprovante de Residência Atualizado
Declaração do comprovante de residência atualizado
Declaração escolar, boletim, e histórico escolar
1 foto 3×4

Serviço:

Na Praça com Vidança – Apresentação dos alunos de sete cursos artísticos, Quadrilha Fuxico, grupos convidados, bazar e quermesse.
Sexta, dia 6 de julho a partir das 18h
Endereço:Av. L, número 400 – Vila Velha
Esquina com a Rua Quixadá Felício
Telefone: 3262.7599

Com informações da Assessoria de Comunicação

Comentários

Mais Visitadas

Tudo começa com o caderno de caligrafia

Livro aborda a memória crítica da escravidão

As dores da humanidade

11 Filmes para recordar o atentado do 11 de setembro

Missão da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional