Nós realmente podemos melhorar nosso caráter?

Nós podemos gostar dos nossos defeitos, mas admiti-los leva a coisas muito maiores, pessoal e profissionalmente

COUPLE
Admitir e mostrar nossas feridas e defeitos nos torna grandes como pessoas e nos aproxima dos outros.
É uma verdade universalmente reconhecida que não somos perfeitos. Mas, às vezes, podemos deixar passar este fato sem “personalizá-lo” – isto é, sem torná-lo nosso.
Somos muito corajosos quando se trata de criticar os aspectos negativos dos outros, e podemos até julgá-los duramente, mas… quando se trata de dar a volta e dar uma boa olhada em nós mesmos, nós nos justificamos, desculpamo-nos, procuramos em outro lugar.
Existem até mesmo aqueles que transformam os defeitos de seu caráter em direitos a se gabar: eles chamam a arrogância de “capacidade de liderança”, chamam a raiva de “ter um caráter forte” e assim por diante.
Então, por que se incomodar em melhorar seu caráter se permanecer do mesmo jeito traz benefícios sociais? “Eu sou o mais admirado do bairro; eles me temem”. Ou no trabalho, “eu sou um tubarão”. “Eles sabem que eu sou capaz de qualquer coisa e isso me torna ‘intocável’”. “Entre amigos, ninguém vai falar porque todos sabem que você não pode ir contra minha opinião”.
Justificando o mau caráter
 
Justificar o mau caráter é uma grande falha e só pode ser consertado se a pessoa acordar e perceber tudo o que está perdendo. Ela verá que há pessoas que se distanciam dela por medo, porque não querem discutir com uma parede. E ela verá o dano que está causando a si mesmo.
Ter um mau caráter também significa aceitar um jeito ruim de ser humano. É uma pobreza de espírito, uma doença interior que exige um olhar de misericórdia.
Você se lembra dos protagonistas de Crime e Castigo? Apenas o olhar amoroso de uma Sônia poderia resgatar o assassino Raskolnikov de sua própria amargura. Mas esta foi uma Sônia que foi capaz de acompanhá-lo à Sibéria para cumprir oito anos de trabalho forçado (não estamos falando de um olhar romântico, mas inativo).
Tornando-se “amável”, digno de ser amado
Quando alguém não está disposto a reconhecer seu mau caráter, é muito possível que alguém possa estar prestes a perder o amor: o amor de um cônjuge, dos filhos, dos amigos… Por outro lado, alguém que sabe que é imperfeito e pede ajuda pode, naquele momento, tornar-se amável, “digno de ser amado”.
Como é fácil amar, ajudar e admirar uma pessoa “amável”, certo?
Mas, quando alguém barricou a si mesmo em seus defeitos e diz “Este é meu caráter” para justificar algo ruim em sua personalidade, ele deveria dizer: “Esta é apenas a minha falta de caráter”. Porque o caráter autêntico é perfeição, ter todos os valores ao máximo – e isso é impossível em uma pessoa viva, porque estamos sempre incompletos. Podemos e devemos melhorar, e esse é um dos grandes desafios da humanidade.
Já estamos conscientes de que nosso caráter tem falhas? Queremos melhorar? Anote estas dicas que podem ajudá-lo.
  • Pense em uma pessoa que você machucou com seu defeito de caráter e peça perdão de coração. “Eu sei que te humilhei falando assim e não vai acontecer de novo. Eu farei o que for preciso”, por exemplo. Ou “Eu estive distante de você por um tempo. Eu dou a você a minha palavra de que irei visitá-lo com mais frequência”.
  • Descubra qual pessoa conhece bem você (ou quem você estaria disposto a deixar entrar) e pode ajudá-lo: um amigo, um parente, um padre, um psicólogo… Fale com essa pessoa e explique que você precisa da sua ajuda para abrir os seus olhos e ajudá-lo a encontrar maneiras de superar sua falta de caráter.
  • Tome uma posição definitiva contra esse defeito. Trata-se de partir para a estrada da virtude. Defina uma meta todos os dias, não importa quão pequena.
Faça uma revisão diária de como está indo sua luta e anote o que aconteceu em três pontos: Você lutou? Você ganhou? O que você pode fazer agora como próximo passo para melhorar? É importante que você anote isso para que você possa verificar seu progresso ou suas omissões. Se não anotarmos as coisas, nossa memória pode nos enganar, e podemos deixar passar por semanas sem fazer nada.

Aleteia

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado