PARA ONDE VAMOS FUGIR?

Carlos Delano Rebouças*

Essa pergunta todos os fortalezenses se fazem diante da crescente insegurança que se instalou em nossa capital. Voltemos para o início do século passado. Quem não se lembra de que a nata da sociedade fortalezense se reunia nas famosas Praças da Lagoinha, dos Mártires (Passeio Público) e do Ferreira, para bate-papos entre amigos num cenário de tranquilidade nas proximidades de suas casas.

Essa mesma sociedade, que encontrou espaço político - poder de decidir o destino de uma capital emergente, que via o progresso bater à sua porta - esqueceu que com o progresso viriam os problemas sociais que já assolavam as, até então, grandes capitais brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Salvador). 

O crescimento desordenado da cidade, a má distribuição de renda e a desvalorização da educação contribuíram intensamente para o aumento da criminalidade na cidade de Fortaleza, fato este que levou essa burguesia a se instalar na sua nova aldeia. Aldeota, bairro das elites fortalezenses, que hoje seus moradores vivem trancafiados em casas e prédios majestosos, intransponíveis até que a insegurança venha a crescer ainda mais.

Cresceu. A insegurança cresceu tanto que vigilância armada, eletrônica e motorizada, além da nossa “excelente” segurança pública, bem menos aparelhada que os bandidos, mas com viaturas importadas, não mais conseguem vencê-la. Assaltos em cruzamentos de ruas, entrada de condomínios e casas, saídas de bancos, shoppings e até de igrejas é a constante de uma cidade que cresceu o suficiente para essas elites buscarem lugares mais seguros para sossegarem e se deleitarem ao som de uma boa música clássica e de um bom uísque importado.

Vamos para as Dunas, bairro escolhido e criado para ser o verdadeiro quartel-general das elites fortalezenses; cercados de grades de proteção, cães ferozes, seguranças fortíssimos e bem armados; vigilância 24 horas; e que, por ironia do destino, não conseguiram se privar de assaltos, sequestros, furtos e arrombamentos. Tudo aquilo que um dia começara a acontecer nas praças do centro da cidade e que não incomodara a ninguém, não importou, pois ainda viriam a Aldeota e as Dunas.

E que venham as Alphavilles, Porto das Dunas e outros refúgios para aqueles que contribuíram para o crescimento da violência em Fortaleza. Lembremos que um dia, ou melhor, um século, a insegurança bateu em suas portas, porém não se preocuparam porque tinham para onde fugir. Viva àquele cidadão que acorda ainda de madrugada para trabalhar e pode sair de sua casa numa favela de Fortaleza e não sofre qualquer tipo de violência, pois, o bandido local adota o lema de não praticar violência contra os membros de sua comunidade. Prefere assaltar o bacana que para num sinal da cidade em seu carro importado e que tem o poder de decidir o futuro de uma capital.

*Professor de Língua Portuguesa e redação, conteudista, palestrante e facilitador de cursos e treinamentos, especialista em educação inclusiva e revisor de textos.

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado