Vaidade

Gonzaga Mota*
Smith, homem de meia-idade, boa aparência, possuidor de recursos econômicos herdados do genitor, graduado - com dificuldade - em Ciências Sociais, era extremamente vaidoso. Apesar de casado, procurava ter relacionamentos com moças bonitas e, enganando-as, fazer viagens românticas. Não se dedicava ao trabalho, vivendo ou "vegetando" de rendas auferidas sem esforço.
A rigor, mau caráter, pois sua vida era dominada por sentimentos oriundos da vaidade, tais como a inveja, a calúnia, o ódio, a ambição, o orgulho etc. Por não possuir um interior sadio e consistente, não se importava com o mundo exterior. Coitado do Smith! Não percebia que a vaidade de hoje é a ilusão da grandeza que se transformará em sofrimento amanhã. Pois bem, como sempre vivendo de aventuras irresponsáveis, procurou o seu "melhor amigo" para pedir uma opinião. Desejava se candidatar a um cargo no Legislativo federal e gostaria de saber de Pedro Luiz se era uma boa ideia. Ao ouvir a pergunta, o "pseudoamigo" ficou perplexo. Pedro Luiz teve um momento de lucidez e desaconselhou o visionário e egoísta Smith. Foi além, indagando-lhe a razão do seu desejo. Respondeu Smith: Na vida consigo tudo o que quero e "ficaria feliz", quando falecer, ter meu nome imortalizado numa avenida, praça, rua, ou até mesmo num município.
Pobre Smith! Observando-se trechos do poema "Ilusão da Vida", de Francisco Otaviano, pode-se dizer: Smith você "passou pela vida em branca nuvem"; "foi espectro de homem"; "só passou pela vida, não viveu". É importante saber que a humildade é o caminho para se encontrar a verdade e a felicidade.
*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões

Capela revestida por milhares de ossos é ponto turístico excêntrico em Portugal